Pular para o conteúdo principal

Governos mudam decisões sobre Covid-19 diante de previsões assustadoras da matemática

Silvana Salles / Jornal da USP      Os modelos matemáticos ganharam a atenção de governantes e da opinião pública durante a pandemia de Covid-19. Um exemplo relevante é do estudo de um grupo influente do Imperial College London, no Reino Unido, que provocou uma mudança de postura dos governos britânicos e norte-americano em relação à crise causada pelo novo coronavírus.

Apesar de ainda faltarem alguns dados, os resultados obtidos com modelagem epidemiológica foram assustadores o suficiente para que ambos os governos anunciassem medidas mais rigorosas contra a doença.

Na avaliação do professor Marcos Amaku, especialista em modelagem do Departamento de Patologia da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP), os modelos matemáticos em epidemiologia ajudam a compreender a dinâmica de espalhamento de doenças infecciosas e os efeitos das estratégias de controle.

“Por exemplo, se tivermos os dados de uma série temporal de casos observados de uma doença, podemos tentar entender quais fatores podem ter influenciado na dinâmica de espalhamento”, explica.


Os modelos podem também ajudar a fazer predições. “Eles permitem comparar, por exemplo, diferentes estratégias de controle de doenças sem que seja necessária a implementação real de cada estratégia. Auxiliam, dessa forma, na tomada de decisões na área de saúde pública”, afirma o professor.

Esse é o caso do estudo do Imperial College London. Os pesquisadores avaliaram o impacto de diferentes intervenções sobre a mortalidade por Covid-19 e a demanda por atendimento médico.

Para isso, construíram um modelo matemático que inclui dados como o período estimado de incubação do vírus SARS-CoV-2 e a capacidade hospitalar do Reino Unido e dos Estados Unidos.

A partir dos números, eles concluem que a melhor opção para os países que têm esta possibilidade é optar por uma estratégia de supressão, em vez de voltar os esforços apenas à mitigação da pandemia, utilizando medidas semelhantes ao que tem sido chamado de “isolamento vertical” no Brasil.

“Eles tentaram quantificar o efeito dessas estratégias que chamaram de mitigação e supressão. Conseguiram simular uma série de curvas, mas os resultados quantitativos são dependentes dos pressupostos e dos números que eles utilizaram para alimentar o modelo. Então, eu diria que a contribuição deles é ainda qualitativa, testando qual a melhor combinação dessas estratégias”, avalia Amaku.

DEMANDA POR LEITOS DE UTI 30 VEZES MAIOR QUE A OFERTA MÁXIMA NOS ESTADOS UNIDOS E REINO UNIDO


PADRÕES DE CONTATO PARA DIFERENTES CENÁRIOS DURANTE O PERÍODO DE MEDIDAS ESTRITAS DE CONTROLE NA CHINA



QUARENTENA

Se o início da adoção de medidas de distanciamento social causa apreensão em muitos países, a decisão do melhor momento para relaxá-las também não é fácil.

No trabalho do Imperial College, os pesquisadores alertam que a estratégia de supressão teria de ser mantida, idealmente, até que uma vacina do novo coronavírus esteja disponível. O problema é que a vacina pode demorar cerca de um ano e meio para chegar ao mercado.

“O argumento deles é que se são tomadas medidas como as de supressão, que diminuem mais intensamente a taxa de contato, está sendo mantida uma proporção de suscetíveis. Quando essas medidas forem retiradas, esses suscetíveis vão entrar em contato com pessoas infectadas e vão se infectar. Então, se não quisermos que isso aconteça, teríamos que manter (as medidas de supressão) por um período mais longo”, explica Marcos Amaku.


“Só que aí eles fazem uma simulação que eu acho que, na prática, não parece ser muito viável: suspendendo as medidas os suscetíveis voltam ao trabalho, para a escola, e se infectam. E aí, voltaria a ter um aumento de casos e as pessoas voltariam para as UTIs. Aí, suspende-se de novo as atividades. E vai se fazendo isso periodicamente. A logística disso não parece ser muito viável e a adesão também pode ser difícil. Parece uma estimativa mais teórica”, completa.

Trabalhando com dados da cidade de Wuhan, capital da província de Hubei, na China, um grupo da London School of Hygiene & Tropical Diseases propõe outra linha do tempo. Em artigo publicado nessa quarta-feira no Lancet Public Health, os pesquisadores apresentam estimativas dos efeitos das medidas de distanciamento físico adotadas pelo governo sobre a progressão da epidemia e de quando seria o melhor momento para suspender essas medidas.

As projeções do grupo sugerem que seria mais prudente manter as medidas de distanciamento em vigor em Wuhan até o começo de abril, na comparação com uma hipotética interrupção no começo de março. 

No modelo dos pesquisadores, um mês a mais de manutenção do distanciamento social reduziria o número de infecções no resto do ano e atrasaria em alguns meses a ocorrência de um segundo pico da epidemia. Na prática, a previsão não ficou muito distante do que o governo chinês de fato decidiu — na mesma quarta-feira em que o estudo foi publicado, as autoridades suspenderam muitas restrições e Hubei foi reconectada ao resto da China.

Os cenários considerados se relacionam a uma preocupação imediata dos chineses na época em que os cientistas planejaram o estudo.

“A China colocou em prática medidas de contenção e distanciamento social sem precedentes, e fez um notável trabalho na instituição dessas medidas de controle na província de Hubei, retardando o pico da epidemia e dando ao sistema de saúde tempo e oportunidade para aumentar e responder à demanda. Discutimos que o distanciamento físico pode funcionar e que há perigos em relaxar as intervenções prematuramente”, afirma a pesquisadora Kiesha Prem, primeira autora do artigo.




Nos EUA, pastor diz que Covid-19 é vingança de Deus contra casamento gay

Bolsonaro diz que brasileiro tem de se cuidar e não esperar ação governamental

Vídeo: guru de Bolsonaro, Olavo de Carvalho diz que ninguém morreu de coronavírus

Cidade de Nova York improvisa necrotério fora de hospital

Psicóloga diz como é possível manter o equilíbrio emocional em tempo de pandemia

13 teorias da conspiração sobre o coronavírus. Ou: a bolsa ou a vida?

Paciente curada do coronavírus afirma ter aprendido a falta que faz um abraço



Comentários