Pular para o conteúdo principal

Merkel afirma que coronavírus coloca solidariedade e razão à prova

Deutsche Welle    A chanceler federal da Alemanha, Angela Merkel, se manifestou pela primeira vez nesta quarta-feira (11/03) sobre o avanço do novo coronavírus no país, afirmando que a disseminação do patógeno precisa ser contida e que é preciso união no combate ao surto. O país tem cerca de 1,3 mil infecções e duas mortes confirmadas.

CHANCELER MANIFESTOU
SOLIDARIEDADE COM A ITÁLIA,
QUE É O PAIS MAIS AFETADO
PELA PANDEMIA

"Nossa solidariedade, nossa razão e nossa compaixão mútua estão sendo colocadas à prova, e desejo que passemos nessa prova", disse Merkel, em coletiva de imprensa em Berlim, ao lado do ministro da Saúde, Jens Spahn, e do presidente do Instituto Robert Koch, (RKI, na sigla em alemão), Lothar Wieler.

"O vírus chegou à Europa, está aqui. Todos precisamos compreender isso", disse Merkel.

"Trata-se de um vírus que não conhecemos o suficiente, para o qual não temos uma vacina, para o qual não temos um tratamento", afirmou a chanceler federal, ressaltando que infecções podem ser particularmente graves em pessoas idosas ou com histórico de doenças.

Merkel afirmou que o principal objetivo das autoridades é ganhar tempo, contendo o ritmo de propagação do coronavírus — causador da doença respiratória batizada de Covid-19 — e, assim, garantir que o sistema de saúde do país não fique sobrecarregado. Merkel alertou que até 70% da população alemã podem contrair o coronavírus no longo prazo.

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas.



Em tempo de coronavírus, a religião tem de se ajoelhar diante da ciência

Vacina contra o coronavírus deve sair em um ano e meio, diz professor da USP

Saiba como se proteger do coronavírus

Cientistas britânicos começam a testar vacinas contra coronavírus em ratos




Comentários

Posts + acessados nos 30 dias mais recentes

Morre de Covid-19 pastor bolsonarista que defendia uso da cloroquina

Angolanos expulsam os pastores brasileiros de 30 templos da Universal

Edir Macedo amaldiçoa angolanos que expulsaram pastores brasileiros de templos