Pular para o conteúdo principal

Vacina contra o coronavírus deve sair em um ano e meio, diz professor da USP

A vacina contra o coronavírus pode ser lançada em um ano e meio, o que seria um tempo recorde no desenvolvimento e produção de um novo remédio.

A avaliação é do professor Helder Nakaya, da Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCF) da USP, que também é integrante da Comissão de Ensino da Sociedade Brasileira de Imunologia (SBI).

VACINA SE ENCONTRA EM
DESENVOLVIMENTO POR
VÁRIAS EMPRESAS

Ele informa que as vacinas contra Convid-19 estão no começo da fase de testes em humanos, para averiguar questões de segurança e também a capacidade da vacina de gerar anticorpos.

Nakaya diz que os pesquisadores estão empregando diferentes tecnologias para desenvolver uma forma de imunização, inclusive se valendo do mRNA.

Essa metodologia visa preparar o sistema imunológico a responder a uma possível infecção.


"Então podemos usar vírus atenuados no seu desenvolvimento, mas também existe a possibilidade de usarmos pedacinhos de vírus em uma proteína recombinante que induz uma resposta imunológica”.

No Brasil, pesquisadores da USP estão estudando formas de desenvolver as vacinas à base de mRNA, contando com a orientação de especialistas internacionais.

Nakaya ressalta que “é difícil avaliar se depois que a vacina chegar ao mercado ainda haverá uma epidemia e se a vacina vai funcionar”, mas ele acredita que o desenvolvimento será em tempo recorde, dada a mobilização mundial em relação ao tema.

Com informação do Jornal da USP.



Em tempo de coronavírus, a religião tem de se ajoelhar diante da ciência

Cristão americano diz que a solução da China para o coronavírus é aceitar Jesus

Saiba como se proteger do coronavírus

Cientistas britânicos começam a testar vacinas contra coronavírus em ratos




Comentários

Posts + acessados hoje

Vídeo mostra que filho de Testemunhas de Jeová já discrimina colega da escola

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Pesquisa usada por deputado para punir cristofobia mostra não haver perseguição a cristãos no Brasil