Pular para o conteúdo principal

Frente evangélica prepara emenda para que pastores deixem de pagar impostos

Líderes evangélicos querem
 introduzir na Constituição
benefícios aos sacerdotes

Deputados e senadores evangélicos estão preparando uma emenda constitucional para, entre outros itens, estender a imunidade fiscal das igrejas para os pastores, o que beneficiaria sacerdotes de todas as religiões.

Pela emenda em elaboração, as residências dos pastores deixariam de pagar IPTU e suas contas de consumo de energia e água não teriam cobrança de ICMS.

A remuneração dos pastores e a remessa de recursos a missionários no exterior também deixariam de ser tributados.

A bancada evangélica do Congresso quer aproveitar a reforma tributária, que deverá ser feita em 2020, para alterar o artigo 150 da Constituição, sobre a imunidade fiscal concedida aos templos religiosos.

Os evangélicos querem que o referido artigo inclua, além dos pastores, imóveis alugados por igrejas ou por instituições coligadas, pavilhões de eventos e outros tipos de localizações utilizadas por congregações.


“Queremos fazer a definição da extensão da imunidade tributária, que hoje está prevista na Constituição, mas é muito vaga”, disse o deputado Silas Câmara (Republicanos-AM), presidente da Frente Parlamentar Evangélica.

“Vamos pedir ao relator [da reforma tributária] para definir a extensão dentro do texto e acabar com a confusão do que é ou não direito e dever do segmento religioso no País.”

A emenda constitucional dos evangélicos não tem o apoio do ministro Paulo Guedes, da Economia, que pretende reduzir, de uma maneira geral, os subsídios, porque elevam o chamado “custo Brasil” e são pagos pelos contribuintes, sem que eles percebam.

Para Guedes, todos os setores da sociedade — o que inclui o dos religiosos — vão ter de contribuir para acabar com o rombo nas contas públicas, que está acima de R$ 124 bilhões.

Os sacerdotes evangélicos estão contando com o apoio do presidente Bolsonaro para que sejam beneficiados pela reforma tributária.

Com informação do Estado de S.Paulo e de outras fontes.



Pará renova isenção de imposto em conta de luz dos templos

Isenção de IPTU às igrejas custa a São Paulo 22 creches por ano

Mesmo endividado, Pará dá isenção de ICMS às igrejas

Governador do MS veta isenção de imposto de serviços às igrejas




Comentários

  1. Cientistas que tinham que ser livre de impostos, não essa raça maldita que só serve pra explorar pobres.

    ResponderExcluir
  2. Assistente Religioso3 de fevereiro de 2020 08:23

    Impostos também são as ordens de Deus, que os pastores tem que obedecer.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Editor deste site
Paulo Lopes é jornalista
Trabalhou no jornal 
abolicionista Diario Popular, 
Folha de S.Paulo, revistas da
Editora Abril e em outras 
 publicações. 
Contato