Pular para o conteúdo principal

Design inteligente tem de ficar longe das escolas porque não é ciência, diz professor

Teoria inspirada na religião
 não pode estar no mesmo patamar
da educação científica

por Júlio Bernardes
para Jornal da USP

A teoria do design inteligente não é científica e, por essa razão, não deve ser ensinada nas escolas", afirma o físico Paulo Nussenzveig.

 “É falsa a disputa entre design inteligente e as explicações da ciência biológica baseada na teoria da evolução”, diz.

 “Essa discussão apareceu na imprensa neste ano por causa da nomeação para a presidência da Capes de uma pessoa que afirmou que design inteligente deveria ser ensinado em aulas de ciências nas escolas, como alternativa à teoria da evolução.”

O físico aponta que o principal argumento em defesa do design inteligente é que a complexidade dos seres vivos e de seus órgãos não poderia surgir do acaso, hipótese apresentada como complexidade irredutível: sem um “projetista” inteligente essas estruturas não poderiam existir. 


“A hipótese de que um criador ‘inteligente’ é responsável pelo surgimento da vida (e do próprio Universo) não se presta a testes experimentais”, ressalta. “Portanto, não pode ser considerada científica.”

De acordo com Nussenzveig, as sociedades contemporâneas dependem cada vez mais de ciência e tecnologia para se desenvolverem econômica e socialmente. 

“Uma boa compreensão, por parte da população, do conhecimento adquirido com o uso dos métodos da ciência é cada vez mais importante, exigindo esforços para fornecer boa educação em ciência, tecnologia, engenharia e matemática”, diz. 

“Conforme afirmado em livro publicado pela Academia de Ciências dos EUA em 2008, ‘a educação científica não pode ser prejudicada pela inclusão de material não científico. Ensinar ideias criacionistas em aulas de ciências confunde os alunos sobre aquilo que é ciência e aquilo que não é."

Este texto foi publicado originalmente no Jornal da USP com o título Design inteligente não é ciência e não deve ser ensinado nas escolas.



Ex-astróloga adverte que a astrologia pode causar danos

Astrologia persiste porque se tornou em superstição tolerada

Com 3.500 anos, astrologia é a mais antiga pseudociência

Adeptos de pseudociências danificam sua racionalidade




Comentários

Klaylton disse…
Se fossemos seguir essa lógica, a TEORIA da evolução também não deveria ser ensinada na escola, uma vez que não se poder passar por comprovação científica. Ou seja, não passa de teoria.
Israel disse…
Amiguinho, você tá confundindo as coisas. Dá uma "googlada" aí. Pesquisa sobre Ciência, Teoria Científica e Método Científico. A Teoria da Evolução passa pelo Método Científico, o Design Inteligente não.
Unknown disse…
TEORIA CIENTÍFICA não é um "palpite". Para qualquer um entender:

"Em uma conversa com amigos podemos levantar uma teoria sobre os motivos da nossa grande derrota para a alemanha na última copa do mundo de futebol, sobre os rumos da crise econômica e outros infinitos temas relevantes. Seriam essas teorias válidas? Claro que sim! Mas não são teorias científicas. Na ciência, chamamos de teoria o que é fortemente embasado por diversas pesquisas feitas de forma independente por cientistas ao longo do tempo. Não é um mero palpite de mesa de bar. Além disso, uma teoria científica não chega à maturidade depois de fazer 18 anos e se transforma em lei."
"Teoria não é uma versão menos confiável que uma lei, longe disso. Enquanto as teorias científicas explicam fenômenos da natureza, as leis são descrições generalistas desses fenômenos. São termos bem diferentes! Por exemplo, a evolução é uma teoria. Mas não é uma teoria qualquer. Segundo o biólogo alemão Ernst mayr (1904­2005), a evolução é uma teoria que se transformou em um fato devido à imensa quantidade de evidências que a suportam. É um fato, assim como o fato de a Terra circular ao redor do Sol. Uma das suas mais importantes forças propulsoras é a teoria da seleção natural.

Enquanto podemos considerar a evolução como o fato de que o mundo não é constante e de que os organismos são transformados ao longo do tempo, a teoria da seleção natural seria o mecanismo que explica, em grande parte, como essas constantes e graduais transformações ocorrem. As evidências de que a seleção natural é real e de extrema importância para a evolução biológica são incontáveis e de diversas áreas do conhecimento, desde históricas (registro fóssil) até experimentais (como descrito em bactérias e peixes). Então, podemos afirmar que sim, a seleção natural é uma teoria científica, e isso não diminui sua importância e seu embasamento científico. Bem diferente daquelas teorias que inventamos todos os dias…"

http://cienciahoje.org.br/artigo/qual-a-diferenca-entre-teoria-e-lei-por-que-a-selecao-natural-de-darwin-e-teoria/
Klaylton disse…
Eu conferi o link que você recomendou.

Uma vez que não se provou nada, continua sendo teoria.

O que é apresentado pelos adeptos da TEORIA da evolução não passam de casos e mais casos de adaptação. Nenhum dos casos que é comumente citado para corroborar com a teoria trata-se de evolução, tratam-se de adaptação. Mas eles continuam repetindo, de maneira que, muitos passam acreditar que seres tão complexos é resultado da suposta evolução que nunca foi comprovado. Então, até que alguém apresente alguma evidência científica, continua sendo nada mais que uma teoria.

''Teoria' permanece 'teoria' mesmo quando é falada por cientistas mundialmente famosos." -John Lennox

Posts + acessados hoje

Pastor de Manaus é acusado de ejacular ‘esperma de Deus’ em obreiras

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Líder religiosa pagava quem trabalhava em sua empresa com promessas de salvação divina