Pular para o conteúdo principal

Justiça dos EUA livra TJs de pagar indenização de US$ 35 milhões por abuso

Corte de Montana se baseou
  na doutrina das Testemunhas
 de Jeová, e não na Constituição

A Suprema Corte do Estado de Montana (EUA) reverteu a decisão primeira instância que condenava a direção das Testemunhas de Jeová a pagar US$ 35 milhões a três supostas vítimas de predador sexual acobertado pela organização religiosa.  O julgamento ocorreu no início de janeiro de 2020.

Desde 2016, três ex-TJs vinham travando uma batalha judicial contra a Sociedade Torre de Vigia da Bíblia, nome jurídico das Testemunhas de Jeová, acusando-a de não informar às autoridades policiais que havia sacerdotes abusando de fiéis.

Uma lei de Montana obriga que todos, incluindo entidades religiosas, denunciem casos de abuso sexual.


Contudo, a Suprema Corte entendeu por unanimidade que os responsáveis pela Congregação Thompson Falls das Testemunhas de Jeová não poderiam ter denunciado o suposto predador  "porque a doutrina, cânone ou prática da igreja exigia que o clero mantivesse confidenciais as denúncias de abuso infantil".

Trata-se de uma decisão controversa porque a Corte de Montana colocou uma doutrina religiosa acima da Constituição dos Estados Unidos.

Holly McGowan, uma das denunciantes, diz nos autos que comunicou em 1998 à congregação Thompson Falls que estava sendo estuprada por Máximo Reyes, integrante da igreja e seu padastro.

Os anciões (sacerdotes) não aceitaram a denúncia porque os supostos estupros não tinham testemunhas.

Seis anos depois, o irmão de Holly também passou a sofrer abuso de Reyes.

Então, a congregação expulsou o acusado, mas um ano e meio depois o recebeu de volta. 

Com informação do site NPR e de outras fontes.



Saiba por que a seita Testemunhas de Jeová é um paraíso para pedófilos

Testemunhas de Jeová recorre para não pagar US$ 35 milhões por acobertar pedófilo

Corpo Governante das Testemunhas de Jeová abrigou molestador por 36 anos

41 pessoas contam a jornal que foram abusadas por Testemunhas de Jeová




Comentários

Anônimo disse…
Tem juizeco brasileiro que pensa igualzinho, acham que a liberdade religiosa está acima da vida, permitindo inclusive essa seita desgraçada matar crianças em hospitais para não se contaminarem com o "pecado" da transfusão de sangue.

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão

Como as memórias são armazenadas em nosso cérebro?

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Fé de pais TJs não supera direito à vida de um bebê, decide juíza

Holanda pede a religiosos provas de que animal não sofre no abate

Marianne Thieme: "Liberdade religiosa termina onde começa o sofrimento de humanos ou de animais"  O Parlamento da Holanda concedeu aos líderes do judaísmo e do islamismo um ano para provar cientificamente que o abate religioso não causa sofrimento nos animais.  Em junho de 2011, a Câmara dos Deputados aprovou lei que proíbe esse tipo de abate porque é feito sem o atordoamento dos animais. A lei terá de ser votada pelo Senado, para ser confirmada ou não, o que ocorrerá após o prazo dado para a manifestação dos religiosos. A lei foi proposta pelo Partido pelos Animais, o único do gênero no mundo. Para Marianne Thieme (foto), líder do partido, “a liberdade religiosa termina onde começa o sofrimento humano ou animal”. Ela é seguidora da Igreja Adventista do 7º Dia. A proposta da nova lei uniu judeus e muçulmanos do país. Eles acusam o Parlamento de querer acabar com a liberdade de religião. Pela tradição judaica e islâmica, os animais têm de estarem conscientes no m