Pular para o conteúdo principal

Igreja Batista Getsêmani de BH afasta pastor acusado de abusar de adolescentes

Número de vítimas pode
 superar a 30; pastor Queiroz
 afirma ser inocente

A Igreja Batista Getsêmani de Venda Nova, de Belo Horizonte (SP), afastou o pastor Jerusan Batista Queiroz (foto) de suas atividades por ele estar sendo acusado de abuso sexual por três adolescentes, na faixa de 14 a 18 anos, e mulheres adultas.

Advogados do pastor afirmam que as acusações são falsas.

A Polícia Civil abriu um inquérito para apurar os fatos..

O número de vítimas pode ser mais de 30.

Daniela Linhares, filha do pastor Jorge Linhares, líder da Igreja, disse que já estava desconfiada da conduta de Queiroz, mas não imaginava que fosse "tão pesado assim".

“Até então, a gente sabia que ele cantava mulheres, que ele se insinuava. Mas eram mulheres já, a maioria maior de idade. Então, não quis me envolver. Quando apareceu menor de 18 anos vi que a coisa realmente ficou muito séria e que tinham mais meninas para serem ouvidas”, disse ela.

Se a pastora Daniela e o seu pai, o fundador da Igreja, já "desconfiavam" de supostos abusos de Queiroz, a polícia precisa responsabilizar ambos por negligência.



Com informação e imagem da RedeTV! e outras fontes.



Justiça do Piauí condena pastor a 20 anos de prisão por abuso de crianças

Pastor engravida menina porque foi 'promessa de Deus’

Fiéis acusam pastor de abuso em sessões de cura

Evangelizador confessa ter cometido estupro de crianças em templo




Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Como as memórias são armazenadas em nosso cérebro?

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Fé de pais TJs não supera direito à vida de um bebê, decide juíza

Marcha para Jesus no Rio contou com verba de R$ 2,48 milhões

A prefeitura do Rio de Janeiro liberou R$ 2,48 milhões para a realização ontem (sábado, 19) da Marcha para Jesus, que reuniu cerca de 300 mil evangélicos de diferentes denominações. Foi a primeira vez que o evento no Rio contou com verba oficial e apoio institucional da Rede Globo. O dinheiro foi aprovado para a montagem de palco, sistema de som e decoração. O pastor Silas Malafaia, um dos responsáveis pela organização da marcha, disse que vai devolver R$ 410 mil porque o encontro teve também o apoio de sua igreja, a Assembleia de Deus Vitória em Cristo. “O povo de Deus é correto”, disse. “Quero ver a parada gay devolver algum dinheiro de evento.” Pela Constituição, que determina a laicidade do Estado, a prefeitura não pode conceder verba à atividade religiosa. Mas o prefeito Eduardo Paes (PMDB), que compareceu à abertura da marcha, disse que o seu papel é apoiar todos os eventos, como os evangélicos e católicos e a parada gay. A marcha começou às 14h e contou com sete trios

Só metade dos americanos que dizem 'não acredito em Deus' seleciona 'ateu' em pesquisa