Pular para o conteúdo principal

Michelangelo se inspirou em corpos de pessoas de bordel para pintar a Capela Sistina

Homossexual, o artista
colocou na capela que
via nas casas de banho

O pintor, escultor, poeta e arquiteto Michelangelo di Lodovico Buonarroti Simoni (1475-1564) se inspirou nos corpos viris de operários frequentadores de prostíbulos para pintar os nus e seminus dos afrescos do Juízo Final, na Capela Sistina.

É o que afirma a historiadora de arte Elena Lazarini, da Universidade de Pisa, Itália. Em 2010, ela causou polêmica ao anunciar essa sua tese em um artigo para o jornal italiano Corriere della Sera. Agora, ela publicou a sua pesquisa no livro "Nudez, arte e decoro — Variações estéticas nos tratados da arte renascentista" (livre tradução para o português).

Elena diz que os afrescos confirmam que Michelangelo era profundo conhecedor de anatomia. Ela observa que a pintura mostra os músculos tensos após um dia duro de trabalhadores serviçais, o que se reflete no rosto deles.




Michelangelo, um homossexual não assumido, era assíduo frequentador de bordéis, que em muitos casos se apresentavam como casas de banhos. Mal comparando, seriam as casas de massagem de hoje no Brasil.

No livro, Lazarrini mostra que muitos dos santos e infiéis do Juízo Final são retratados em posições obscenas. É o caso de um condenado que é puxado para o inferno pelos testículos. Há também beijos e abraços ambíguos, sugerindo homossexualidade.

Ela diz que não só Michangelo, mas outros artistas, como Leonardo da Vinci e Bronzino, frequentavam em Roma e Florença esses pontos de prostituição masculina e feminina.

O Juízo Final — 3,7 m por 12,2m — foi pintado entre os anos de 1.536 e 1.541. Michelangelo teria feito a obra a contra-agosto porque se considerava mais escultor do que pintor.

A hierarquia da Igreja Católica chegou a cogitar a demolição da Capela Sistina por causa do erotismo do artista. Para aplacar a ira de bispos e arcebispos, o papa Pio V (1504-1572) pediu ao artista Daniele da Volterra que cobrisse a genitália de algumas figuras.

A Capela Sistina fica no Palácio Apostólico, residência oficial do papa no Vaticano. Na época em que Michangelo pintou os afrescos, Biagio da Cesena, mestre de cerimônias do papa Júlio II, disse que a obra era mais adequada para “banhos públicos e tabernas” do que para um local de culto.


Com informação das agências.






Na caça à nudez, Malafaia dos católicos critica a Capela Sistina

No Reino Unido, catedral instala tobogã de 15 metros para atrair fiéis

Da Vinci provavelmente era ateu, escreve autor de biografia

Templo na Tailândia põe Buda junto com Superman e Batman




Comentários

Ricardo disse…
Michelangelo era gay?!?!?!?!? Oh, que absurdo!!!
Baseava seus nus em homens musculosos! Oh, que que heresia!!!!

Sério, Paulo, existem assuntos mais polêmicos e urgentes para serem tratados...
Georgia Mantega disse…
No Brasil o equivalente não seriam as casas de massagem, mas as saunas, os cinemas de pegação e as academias de artes marciais e malhação de subúrbio, onde pululam os chamados "galetos", ou cafuçus da hora. Tenho várias amigas do exército, da polícia, dos bombeiros, que "pegam" seus efebos diretamente nesses locais, porque não querem se colocar no mesmo "nível" das diretoras globais, cabeleireiras chiquérrimas e ricas tresloucadas, e socialites, que são todas marias-chuteiras e marias-tatames. O fato é que nada mais lógico que procurar homens bonitos onde a crueldade e a violência internalizadas esculpem estas belíssimas lições vivas de desenho anatômico. E cá entre nós e os padres que não mais nos confessam, (quem é a louca que ainda conta pecados pra essas loucas?); aposto que a Michelle Angela adorava tirar uma casquinha, espécie de caixinha adicional, ou couvert gastronômico-artístico. Se me for permitida a analogia com a fixação dela em santos e igrejas, aposto que ela adorava um noviço ou guarda suíço cerimonial.

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Lei anti-ciência de Ohio permite que alunos deem resposta com base na religião

Milagrento Valdemiro Santiago radicaliza na exploração da fé

Capela em centro espacial é absurdo, afirma estudante

do leitor Sérgio "Este prédio da capela poderia abrigar um bom laboratório" Sou físico e aluno de doutorado do INPE [Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais] em São José dos Campos (SP) e gostaria de fazer um breve comentário. Há 5 anos, quando ingressei no mestrado no instituto, fique fascinado com a estrutura física/financeira oferecida ao desenvolvimento da pesquisa. Sinceramente não tenho do que me queixar, mas uma coisa  chama muito atenção (não só a minha, claro). É que dentro do INPE (um centro de pesquisa principalmente física), acreditem, tem uma capela para oração. No local que é considerado o maior centro de pesquisa tecnológica da America Latina (a Nasa brasileira, como muitos dizem) existe tal absurdo. Esse prédio poderia, por exemplo, abrigar um bom laboratório ou coisa mais útil. O INPE (englobando todas as áreas – astrofísica, meteorologia, sensoriamento, engenharia de materiais, etc.) é formado por pesquisadores/cientistas de várias partes do mu

Pai de vocalista dos Mamonas processa Feliciano por dizer que morte foi por ordem de Deus

Ministro do STF critica a frase ‘Deus seja louvado’ do real

Marco Aurélio lembrou  que somente no  império  a religião era obrigatória  O ministro Marco Aurélio (foto), 65, do STF (Supremo Tribunal Federal), disse que não consegue conceber “que nas notas de moedas do real nós tenhamos ‘Deus seja louvado’”, porque isso fere a laicidade do Estado. Em uma entrevista ao UOL, lembrou que na argumentação de seu voto favorável à descriminalização do aborto de fetos anencéfalos, em abril, ressaltou que o Brasil não está mais no império, “quando a religião católica era obrigatória e o imperador era obrigado a observá-la”. “ Como outro exemplo de incompatibilidade com o Estado laico ele citou o crucifixo do plenário do STF. “Devíamos ter só o brasão da República.” Aurélio elogiou a decisão do Tribunal de Justiça gaúcho pela retirada do crucifixo de todas as suas dependências, o que demonstra, segundo ele, que o Rio Grande do Sul é um Estado que “está sempre à frente em questões políticas”. Celso de Mello, outro ministro do Supremo, já

Intel deixa de ajudar escoteiros que discriminam gays e ateus

Empresa avisou que as instituições preconceituosas não terão subsídios  Um grupo inglês de escoteiros rejeitou a filiação de George Pratt, 11, porque ele, ateu, disse que, no juramento de lealdade, não podia declarar obediência a Deus. Trata-se de um juramento padrão, seguido por escoteiros de todo o mundo. Nos Estados Unidos, a partir de agora, os grupos de escoteiros que discriminam ateus e gays deixarão de receber ajuda financeira do programa de voluntariado da Intel. A fabricante de chips informou aos grupos de escoteiros, entre outras entidades, que adotou uma nova política de não conceder ajuda a quem promove de discriminação. Chuck Mulloy, porta-voz da Intel, disse que as instituições, para receber subsídios, terão de assinar um documento declarando estar de acordo com as políticas de não discriminação da empresa. A decisão afeta principalmente os escoteiros de Oregon, onde a Intel tem uma fábrica. Somente em 2010, as doações foram de US$ 180.000 (R$ 360.000). Matt

Evangélico, chefão do tráfico no Rio manda fechar igrejas católicas

PSC radicaliza ao dar apoio a Feliciano, afirma Wyllys

por Ivan Richard da Agência Brasil Deputado disse que resposta também será a radicalização O deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ), na foto, criticou a decisão do PSC de manter o pastor Marco Feliciano na presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorais da Câmara. Para Wyllys, o acirramento dos ânimos por parte do PSC pode provocar ainda mais confusão nas sessões da comissão. Feliciano é acusado por de ter feito afirmações homofóbicas, como a de que a "Aids é câncer gay", e racistas. “Não falo em nome do movimento [LGBT], mas, se um lado radicaliza, o outro tende a radicalizar. Se o PSC radicaliza e não ouve a voz dos movimentos socais, das redes sociais, o pedido para que esse homem saia da presidência, se a tendência é radicalizar e não dar ouvidos, é lógico que o movimento radicalize do outro. Isso não é bom para a Câmara, para o Legislativo, para o PSC, nem para o país”, disse Wyllys. Wyllys afirmou que as lideranças do PSC estão “confundindo” as criticas ao

Família esperou por três dias, mas Neide não ressuscitou; corpo foi sepultado cheirando mal