Pular para o conteúdo principal

Medalhista olímpica do Irã foge do país para se livrar da opressão islâmica

Kimia disse que cansou de
fazer e falar tudo que o
 regime iraniano lhe obrigava

Kimia Alizadeh (foto), 21, única medalhista olímpica do Irã com bronze no taekwondo no Rio-2016, anunciou que na rede social que estava deserdando por não compactuar com o uso político dos atletas pelo governo do Irã.

Disse que é uma entre as “milhões de mulheres oprimidas no Irã”.

Ela escreveu que vinha fazendo e falando tudo o que as autoridades lhe mandam, mas acrescentou que ficou cansada da “hipocrisia”, “mentira” e “injustiça” do sistema político do Irã.

Disse que, agora, tudo o que deseja é "taekwondo, segurança e uma vida feliz e saudável".

Kimia Alizadeh não informou o país que lhe deu asilo político. O que se comenta entre os atletas é que seria a Holanda. Provavelmente ela deixará de usar o véu islâmico.

Com informação das agências e foto de divulgação.





Na caça à nudez, Malafaia dos católicos critica a Capela Sistina

No Reino Unido, catedral instala tobogã de 15 metros para atrair fiéis

Da Vinci provavelmente era ateu, escreve autor de biografia

Templo na Tailândia põe Buda junto com Superman e Batman




Comentários

  1. Parabéns a ela .. eh uma decisão difícil por causa dos parentes que ela vai deixar ... mas viver num pais comandado por sociopatas e fanáticos selvagens , correndo o risco de no minimo ser chicoteada em praça publica por expor a menor opinião ... essa seria a menos pior das consequências .

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Editor deste site
Paulo Lopes é jornalista
Trabalhou no jornal 
abolicionista Diario Popular, 
Folha de S.Paulo, revistas da
Editora Abril e em outras 
 publicações. 
Contato

POSTS MAIS LIDO EM 7 DIAS

Hospital de campanha de evangélicos em Nova York não aceita voluntários gays

Vídeo: R.R. Soares manda o Covid-19 para o inferno, mas não tira a máscara do rosto

Saiba por que a seita Testemunhas de Jeová é um paraíso para pedófilos