Pular para o conteúdo principal

Teólogo diz ter 'nojo' das religiões porque fazem mais mal que bem

Autor de vários livros sobre religião, Robert Orsi diz ser "impossível separar religião do estupro de crianças, jovens, mulheres e seminaristas"

Teólogo católico e estudioso das religiões, o professor Robert Orsi, da Northwestern University (EUA), diz não ter dúvida de que, “na perspectiva da história humana, as religiões fizeram mais mal que bem”.

Acrescenta que, depois de muitos anos de estudo, adquiriu “nojo” das religiões devido aos padres e bispos estupradores de crianças, que sempre existiram na Igreja Católica, e, um plano mais geral, do dia a dia nas comunidades religiosas.

Seu nojo vem, antes de tudo, de um cotidiano que impõe aos fiéis “crueldades íntimas, humilhações mesquinhas e profundas, sadismo e masoquismo, abusos de poder e impulsos de destruir e dominar”.

Autor de vários livros, no momento Orsi escreve mais um, agora sobre a sexualidade católica e o abuso sexual na formação de meninos de uma escola jesuíta de Nova Iorque, no período de 1967-1971.

Orsi: Igreja está
preocupada
em manter
sua influência
e propriedades

Em suas pesquisas sobre “os repulsivos abusos sexuais” na Igreja, ela cita o psicólogo e ex-padre beneditino Richard Sipe, para quem metade dos sacerdotes viola o celibato.

“As autoridades da Igreja geralmente não se preocupam com as crianças, às vezes muito pequenas, com os adolescentes ou com homens e mulheres de qualquer idade com quem os padres estejam fazendo sexo”, diz.

“A principal preocupação da Igreja tem sido a proteção de suas prerrogativas, acima de tudo sua influência política, propriedade e finanças.”

As críticas do teólogo também atingem fortemente os evangélicos americanos, que, segundo ele, passaram a ter uma atuação política supostamente cristã para perseguir os jovens LGBT, “restringindo os direitos reprodutivos das mulheres e os cuidados básicos de saúde e revivendo um nacionalismo tóxico branco”.

Orsi afirma que ninguém deve se enganar, porque “é impossível separar religião do estupro de crianças, jovens, mulheres, seminaristas”.

“A repulsa me ensina que a história da religião também é sempre uma história de perversões. O desgosto me lembra do abuso sexual de povos indígenas nas mãos de missionários católicos. E o abuso sexual de órfãos, de crianças com deficiência e de adolescentes viciados em drogas.”

Com informação do site Harvard Divinity Bulletin.

Igreja Católica do Brasil tem menos pedófilos do que outras?

Padre diz que a Igreja ainda não entendeu a seriedade dos abusos sexuais

Um a cada dez padres do Brasil abusa de criança, diz relatório do Vaticano


Comentários

Assistente Religioso disse…
Teólogo é quem estuda Deus, para isso Deus tem aparecer para o teólogo.

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Como as memórias são armazenadas em nosso cérebro?

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Fé de pais TJs não supera direito à vida de um bebê, decide juíza

Marcha para Jesus no Rio contou com verba de R$ 2,48 milhões

A prefeitura do Rio de Janeiro liberou R$ 2,48 milhões para a realização ontem (sábado, 19) da Marcha para Jesus, que reuniu cerca de 300 mil evangélicos de diferentes denominações. Foi a primeira vez que o evento no Rio contou com verba oficial e apoio institucional da Rede Globo. O dinheiro foi aprovado para a montagem de palco, sistema de som e decoração. O pastor Silas Malafaia, um dos responsáveis pela organização da marcha, disse que vai devolver R$ 410 mil porque o encontro teve também o apoio de sua igreja, a Assembleia de Deus Vitória em Cristo. “O povo de Deus é correto”, disse. “Quero ver a parada gay devolver algum dinheiro de evento.” Pela Constituição, que determina a laicidade do Estado, a prefeitura não pode conceder verba à atividade religiosa. Mas o prefeito Eduardo Paes (PMDB), que compareceu à abertura da marcha, disse que o seu papel é apoiar todos os eventos, como os evangélicos e católicos e a parada gay. A marcha começou às 14h e contou com sete trios