Pular para o conteúdo principal

MP nega ação contra o curta do Jesus gay: 'Estado é laico e ninguém é obrigado a ver'

Promotor Alexandre Guedes
 diz que curta do Porta dos Fundos
 não força ninguém a mudar a sua fé

O Ministério Público do Mato Grosso, por intermédio da 7ª Promotoria de Justiça Cível do Núcleo de Defesa da Cidadania de Cuiabá, recusou o pedido para instaurar um inquérito civil contra o Porta do Fundo pela produção do Especial de Natal — A Primeira Tentação de Cristo.

O autor do pedido, cujo nome não foi divulgado, alegou que o grupo de humor insultou a "coletividade cristã" por mostrar a versão de Jesus gay, tendo, inclusive, um relacionamento com o Diabo.

Ele também solicitou uma liminar para a remoção imediata do curta do Netflix.

O promotor de Justiça Alexandre de Matos Guedes foi contundente em sua argumentação:

“Nem o vídeo nem a empresa Porta dos Fundos está impedindo ou perturbando o acesso do reclamante ou da “coletividade cristã” a atos de exercício de seu culto e nem está atentando contra a prática de liturgias e/ou acesso aos locais de culto, na medida em que se trata de uma manifestação artística que só pode ser acessada por assinantes da empresa Netflix e, mesmo dentre estes, somente os que livremente optarem por assistir a esse audiovisual especifico”.

Acrescentou que a plataforma de streaming não pode ser acusado de parcialidade religiosa porque também tem disponível aos seus assinantes filmes de temática evangélica, como a biografia do bispo Edir Macedo, da Universal.

"[Além de tudo], só assiste ao vídeo do “Especial de Natal” do Porta dos Fundos os que pagarem para tanto; os que assim não o quiserem não estão obrigados a assisti-lo; os cultos, rezas e orações cristãs permanecem sendo realizados normalmente em todo o país por quem assim o deseje”.




Acrescentou que a Promotoria não pode tomar iniciativa supostamente na defesa da "comunidade cristã" e de qualquer outro grupo religioso porque o Estado é laico e a Constituição garante a liberdade artística.

O autor do pedido de censura ao curta também alegou que Porta dos Fundos apresentou Jesus de forma pejorativa, ao mostrá-lo "como homossexual".

O promotor Alexandre Guedes respondeu que, pelos os artigos 1º e 5º da Constituição, não se pode aceitar que a homoafetividade seja considerada como “pejorativa” a quem quer que se refira.

“A condição LTBQ não é considerada doença ou característica infamante aos olhos da Constituição, não podendo essa condição servir de motivo juridicamente válido para repreensão estatal, através de ação judicial, como pedido na reclamação."

Continuou: "Deve-se dizer que mesmo no campo religioso cristão a homoafetividade não é mais considerada de forma depreciativa”.

Guedes afirmou ainda que a ironia e a sátira de figuras santas ou divinas não se constituem por si só em violação da liberdade de crença, "até porque os indivíduos continuam livres para acreditar neles".

"O vídeo combatido não impede quaisquer pessoas de querer continuar acreditando em Jesus e certamente não as força a abandonar sua fé."



Com informação do site Circuito MT e outras fontes, com foto reproduzida da rede social.



CNBB sugere que Porta dos Fundos pode sofrer castigo divino por causa do Jesus gay

Nos EUA, sacerdote hindu pede à Netflix remoção do Jesus gay do Porta dos Fundos

Por que Natal é uma festa de todos, não só dos cristãos

Porchat afirma ser fascinante a ideia de que pessoas acreditam no que não existe




Comentários

Unknown disse…
MP nega açao mas admite com isso que o MP nao serve pra nada a nao ser receber salarios faraonicos do $$ publico
Unknown disse…
Dê seu parecer jurídico contrário fundamentado já q discorda.
Anônimo disse…
Kkkkkkkkkkkk, povo ridículo. Ajudar pessoas com nescessidade ninguém vai atrás. Fazer abaixo assinado para baratear medicação ninguém faz, bando de religiosos fanáticos. É muita falta do que fazer.

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Lei anti-ciência de Ohio permite que alunos deem resposta com base na religião

Milagrento Valdemiro Santiago radicaliza na exploração da fé

Pai de vocalista dos Mamonas processa Feliciano por dizer que morte foi por ordem de Deus

Capela em centro espacial é absurdo, afirma estudante

do leitor Sérgio "Este prédio da capela poderia abrigar um bom laboratório" Sou físico e aluno de doutorado do INPE [Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais] em São José dos Campos (SP) e gostaria de fazer um breve comentário. Há 5 anos, quando ingressei no mestrado no instituto, fique fascinado com a estrutura física/financeira oferecida ao desenvolvimento da pesquisa. Sinceramente não tenho do que me queixar, mas uma coisa  chama muito atenção (não só a minha, claro). É que dentro do INPE (um centro de pesquisa principalmente física), acreditem, tem uma capela para oração. No local que é considerado o maior centro de pesquisa tecnológica da America Latina (a Nasa brasileira, como muitos dizem) existe tal absurdo. Esse prédio poderia, por exemplo, abrigar um bom laboratório ou coisa mais útil. O INPE (englobando todas as áreas – astrofísica, meteorologia, sensoriamento, engenharia de materiais, etc.) é formado por pesquisadores/cientistas de várias partes do mu

Ministro do STF critica a frase ‘Deus seja louvado’ do real

Marco Aurélio lembrou  que somente no  império  a religião era obrigatória  O ministro Marco Aurélio (foto), 65, do STF (Supremo Tribunal Federal), disse que não consegue conceber “que nas notas de moedas do real nós tenhamos ‘Deus seja louvado’”, porque isso fere a laicidade do Estado. Em uma entrevista ao UOL, lembrou que na argumentação de seu voto favorável à descriminalização do aborto de fetos anencéfalos, em abril, ressaltou que o Brasil não está mais no império, “quando a religião católica era obrigatória e o imperador era obrigado a observá-la”. “ Como outro exemplo de incompatibilidade com o Estado laico ele citou o crucifixo do plenário do STF. “Devíamos ter só o brasão da República.” Aurélio elogiou a decisão do Tribunal de Justiça gaúcho pela retirada do crucifixo de todas as suas dependências, o que demonstra, segundo ele, que o Rio Grande do Sul é um Estado que “está sempre à frente em questões políticas”. Celso de Mello, outro ministro do Supremo, já

Intel deixa de ajudar escoteiros que discriminam gays e ateus

Empresa avisou que as instituições preconceituosas não terão subsídios  Um grupo inglês de escoteiros rejeitou a filiação de George Pratt, 11, porque ele, ateu, disse que, no juramento de lealdade, não podia declarar obediência a Deus. Trata-se de um juramento padrão, seguido por escoteiros de todo o mundo. Nos Estados Unidos, a partir de agora, os grupos de escoteiros que discriminam ateus e gays deixarão de receber ajuda financeira do programa de voluntariado da Intel. A fabricante de chips informou aos grupos de escoteiros, entre outras entidades, que adotou uma nova política de não conceder ajuda a quem promove de discriminação. Chuck Mulloy, porta-voz da Intel, disse que as instituições, para receber subsídios, terão de assinar um documento declarando estar de acordo com as políticas de não discriminação da empresa. A decisão afeta principalmente os escoteiros de Oregon, onde a Intel tem uma fábrica. Somente em 2010, as doações foram de US$ 180.000 (R$ 360.000). Matt

Evangélico, chefão do tráfico no Rio manda fechar igrejas católicas

PSC radicaliza ao dar apoio a Feliciano, afirma Wyllys

por Ivan Richard da Agência Brasil Deputado disse que resposta também será a radicalização O deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ), na foto, criticou a decisão do PSC de manter o pastor Marco Feliciano na presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorais da Câmara. Para Wyllys, o acirramento dos ânimos por parte do PSC pode provocar ainda mais confusão nas sessões da comissão. Feliciano é acusado por de ter feito afirmações homofóbicas, como a de que a "Aids é câncer gay", e racistas. “Não falo em nome do movimento [LGBT], mas, se um lado radicaliza, o outro tende a radicalizar. Se o PSC radicaliza e não ouve a voz dos movimentos socais, das redes sociais, o pedido para que esse homem saia da presidência, se a tendência é radicalizar e não dar ouvidos, é lógico que o movimento radicalize do outro. Isso não é bom para a Câmara, para o Legislativo, para o PSC, nem para o país”, disse Wyllys. Wyllys afirmou que as lideranças do PSC estão “confundindo” as criticas ao

Família esperou por três dias, mas Neide não ressuscitou; corpo foi sepultado cheirando mal