Pular para o conteúdo principal

MP nega ação contra o curta do Jesus gay: 'Estado é laico e ninguém é obrigado a ver'

Promotor Alexandre Guedes
 diz que curta do Porta dos Fundos
 não força ninguém a mudar a sua fé

O Ministério Público do Mato Grosso, por intermédio da 7ª Promotoria de Justiça Cível do Núcleo de Defesa da Cidadania de Cuiabá, recusou o pedido para instaurar um inquérito civil contra o Porta do Fundo pela produção do Especial de Natal — A Primeira Tentação de Cristo.

O autor do pedido, cujo nome não foi divulgado, alegou que o grupo de humor insultou a "coletividade cristã" por mostrar a versão de Jesus gay, tendo, inclusive, um relacionamento com o Diabo.

Ele também solicitou uma liminar para a remoção imediata do curta do Netflix.

O promotor de Justiça Alexandre de Matos Guedes foi contundente em sua argumentação:

“Nem o vídeo nem a empresa Porta dos Fundos está impedindo ou perturbando o acesso do reclamante ou da “coletividade cristã” a atos de exercício de seu culto e nem está atentando contra a prática de liturgias e/ou acesso aos locais de culto, na medida em que se trata de uma manifestação artística que só pode ser acessada por assinantes da empresa Netflix e, mesmo dentre estes, somente os que livremente optarem por assistir a esse audiovisual especifico”.

Acrescentou que a plataforma de streaming não pode ser acusado de parcialidade religiosa porque também tem disponível aos seus assinantes filmes de temática evangélica, como a biografia do bispo Edir Macedo, da Universal.

"[Além de tudo], só assiste ao vídeo do “Especial de Natal” do Porta dos Fundos os que pagarem para tanto; os que assim não o quiserem não estão obrigados a assisti-lo; os cultos, rezas e orações cristãs permanecem sendo realizados normalmente em todo o país por quem assim o deseje”.




Acrescentou que a Promotoria não pode tomar iniciativa supostamente na defesa da "comunidade cristã" e de qualquer outro grupo religioso porque o Estado é laico e a Constituição garante a liberdade artística.

O autor do pedido de censura ao curta também alegou que Porta dos Fundos apresentou Jesus de forma pejorativa, ao mostrá-lo "como homossexual".

O promotor Alexandre Guedes respondeu que, pelos os artigos 1º e 5º da Constituição, não se pode aceitar que a homoafetividade seja considerada como “pejorativa” a quem quer que se refira.

“A condição LTBQ não é considerada doença ou característica infamante aos olhos da Constituição, não podendo essa condição servir de motivo juridicamente válido para repreensão estatal, através de ação judicial, como pedido na reclamação."

Continuou: "Deve-se dizer que mesmo no campo religioso cristão a homoafetividade não é mais considerada de forma depreciativa”.

Guedes afirmou ainda que a ironia e a sátira de figuras santas ou divinas não se constituem por si só em violação da liberdade de crença, "até porque os indivíduos continuam livres para acreditar neles".

"O vídeo combatido não impede quaisquer pessoas de querer continuar acreditando em Jesus e certamente não as força a abandonar sua fé."



Com informação do site Circuito MT e outras fontes, com foto reproduzida da rede social.



CNBB sugere que Porta dos Fundos pode sofrer castigo divino por causa do Jesus gay

Nos EUA, sacerdote hindu pede à Netflix remoção do Jesus gay do Porta dos Fundos

Por que Natal é uma festa de todos, não só dos cristãos

Porchat afirma ser fascinante a ideia de que pessoas acreditam no que não existe




Comentários

Unknown disse…
MP nega açao mas admite com isso que o MP nao serve pra nada a nao ser receber salarios faraonicos do $$ publico
Unknown disse…
Dê seu parecer jurídico contrário fundamentado já q discorda.
Anônimo disse…
Kkkkkkkkkkkk, povo ridículo. Ajudar pessoas com nescessidade ninguém vai atrás. Fazer abaixo assinado para baratear medicação ninguém faz, bando de religiosos fanáticos. É muita falta do que fazer.

Posts + acessados nos 30 dias mais recentes

Morre de Covid-19 pastor bolsonarista que defendia uso da cloroquina

Angolanos expulsam os pastores brasileiros de 30 templos da Universal

Edir Macedo amaldiçoa angolanos que expulsaram pastores brasileiros de templos

Morre de Covid-19 o segundo pastor bolsonarista da Assembleia de Deus

Bispo Edir Macedo é internado com suspeita de estar com Covid-19