Conselho cassa registro de 'psicóloga cristã' por preconceito contra homossexuais

[texto opinativo] O CFP (Conselho Federal de Psicologia) cassou o registro profissional de Patrícia de Souza Teixeira por ela ter manifestado preconceito contra homossexuais em vídeo no qual critica a "ideologia de gênero".

A cassação ocorreu no dia 18 de outubro de 2019, e Patrícia foi informada oficialmente da decisão no dia 5 de dezembro.

A informação é do site Gospel Prime, que identifica a ex-profissional como "psicóloga cristã".

Para o Conselho, não se pode associar a psicologia a uma religião, porque, caso contrário, haverá o risco por parte do profissional de emitir um juízo de valor com base em sua crença, o que é preconceito.

No vídeo [ver abaixo], que foi divulgado nas redes sociais em 2015, Patrícia faz um alerta contra a "ideologia de gênero" que, segundo ela, se contrapõe à "família tradicional" ao defender que as crianças devem ser criadas como "neutras", sem definição de sexo.




Sem apresentar provas, ela critica, também, as escolas por estarem a serviço dessa "ideologia", interferindo na educação das crianças, em prejuízo das atribuições que cabem aos pais.

Esse "posicionamento profissional" de Patrícia é, na verdade, uma pregação cristã de discriminação e perseguição aos homossexuais, e não uma orientação da psicologia, que, como ciência, não tem "ideologia", seja do que for.

Trata-se de um argumento que sustenta a "cura gay".

Inicialmente, a "psicóloga cristã" foi processada pelo Conselho Regional de Psicologia da 12ª região, cuja jurisdição é Santa Catarina. Depois, o caso foi para o CFP, que confirmou a cassação do registro.

Jorge Vacite Neto, advogado de defesa de Patrícia, afirmou que a punição foi desproporcional.

Ele argumentou que a sua cliente se manifestou em caráter pessoal, e não no exercício de sua profissão, mas no vídeo Patrícia colocou o seu registro profissional, CRP 12/06777.



Com informação do Gospel Prime, de vídeo e de outras fontes.



Justiça condena psicóloga cristã a pagar R$ 30 mil por cometer ofensa

‘Psicóloga cristã’ critica ateus: 'São pessoas cheias de si próprias'

Juiz condena ‘psicóloga cristã’ por danos morais a conselho

CFP não aceita a ‘psicologia cristã’ de filho de Crivella




Comentários

  1. Muito bom, vá trabalhar de pastora agora enganando os trouxas que não tem cultura, pois de psicóloga a senhora não tem nada.

    ResponderExcluir
  2. E quanto a Marisa Lobo?

    ResponderExcluir

Postar um comentário


EDITOR DESTE SITE

Paulo Roberto Lopes é jornalista

profissional diplomado. Trabalhou

no jornal centenário abolicionista

Diario Popular, Folha de S.Paulo,

revistas da Editora Abril e

em outras publicações.

Contato