Justiça condena psicóloga cristã a pagar R$ 30 mil por cometer ofensa


Marisa Lobo
faz 'vaquinha' para
pagar indenização

A Justiça condenou Marisa Lobo, a psicóloga cristã, a pagar indenização de R$ 30 mil por ofender  reputação pessoal. Não cabe mais recurso.

O processo corre em segredo de justiça, mas foi a própria Lobo que, no Facebook, informou sobre a condenação.

Ela está fazendo uma “vaquinha” na internet porque alega não ter dinheiro para pagar a indenização.


Lobo foi condenada porque acusou uma pessoa de, em vídeo, defender a pedofilia.

No entendimento da Justiça, contudo, falar sobre a pedofilia não significa necessariamente defender o abuso de criança.

“Fui condenada por denunciar discursos que, em minha opinião, favorecem a aceitação social da pedofilia”, disse.

A “vaquinha” para Lobo foi criada por Jofran Alves, de Curitiba (PR), no dia 28 de fevereiro de 2018, com término em 29 de dezembro do mesmo ano.

Até este momento, a arrecadação é de R$ 1.520,00.

Jofran diz que “ainda temos outro processo de dois ativistas que [sic] estamos pagando parcelado desde o final do ano passado [2017] no valor de R$ 10 mil”.

Ela ainda responde a um processo em Salvador (BA) [ver vídeo abaixo].

Poderá ser acionada em mais uma ação, sob a acusação de manifestar preconceito contra portadores de distúrbio mental.

Em um vídeo, ao se referir ao evento carnavalesco Zumbie Walk, ela disse: “Abriram o manicômio de Curitiba e todos os demônios saíram”.

Marisa Lobo deixou de se proclamar “psicóloga cristã” depois de uma contenda jurídica com o Conselho de Psicologia.

Ela vai tentar se eleger deputada federal.

"Sou crente, não temo a Justiça"


Com informação do Facebook e de outras fontes.





‘Psicóloga cristã’ manda recados aos ateus pelo Twitter

A responsabilidade dos comentários é de seus autores.


Comentários

-------- Busca neste site