Supremo confirma que Manaus não pode exigir que escolas tenham Bíblia

Câmara dos Vereadores tinha
 recorrido ao STF para impor
lei que afrontava a laicidade
 do Estado brasileiro

Ao negar um recurso da Câmara Municipal de Manaus (AM), a Primeira Turma do STF (Supremo Tribunal Federal) manteve a ilegalidade da determinação de que escolas e lugares públicos tenham ao menos um exemplar da Bíblia.

Em julho de 2018, no julgamento de uma ADI (Ação Direta de Inconstitucionalidade), o Tribunal de Justiça do Amazonas derrubou a lei 1.679/2012, proposta pelo vereador Marcel Alexandre (PHS), que fazia tal exigência.

Alexandre também é apóstolo do Ministério Internacional da Restauração.

O desembargador Sabino Marques, relator do caso, julgou que essa lei de Manaus contraria o princípio do Estado laico.



“O Estado deve abster-se de manifestar efeitos negativos que podem afastar-se da sua neutralidade com relação à religião.”

Os vereadores de Manaus tiveram uma segunda derrota em março de 2019, quando o ministro Marco Aurélio Mello, do STF, negou uma liminar para restabelecer a validade da lei.

“O Estado não é religioso, tampouco é ateu. É simplesmente neutro ”, disse o ministro.

A terceira derrota da Câmara ocorreu agora, com a confirmação pelo STF da inconstitucionalidade da lei.

Com informação do STF e de outras fontes.



Vereadores de Manaus se dedicam mais à religião do que à cidade

Governador de Goiás veta lei que obrigava leitura da Bíblia nas escolas

TJ-RJ decide que distribuição de Bíblia a estudantes é ilegal

Prefeito finge crer que Bíblia ensina ciência para agradar fundamentalistas




Comentários

  1. Trabalhar e fazer leis de verdade ... esta longe da agenda desses fanáticos (quer dizer .. espertos)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Veja os 10 trechos mais cruéis da Bíblia

Trechos bíblicos cuja existência crente finge não saber

Carl Sagan escreve sobre um 'pálido ponto azul' nos cosmos, a Terra

Vicente e Soraya falam do peso que é ter o nome Abdelmassih

Gloria Perez diz não querer ampliar a voz de seus críticos