Supremo confirma que Manaus não pode exigir que escolas tenham Bíblia

Câmara dos Vereadores tinha
 recorrido ao STF para impor
lei que afrontava a laicidade
 do Estado brasileiro

Ao negar um recurso da Câmara Municipal de Manaus (AM), a Primeira Turma do STF (Supremo Tribunal Federal) manteve a ilegalidade da determinação de que escolas e lugares públicos tenham ao menos um exemplar da Bíblia.

Em julho de 2018, no julgamento de uma ADI (Ação Direta de Inconstitucionalidade), o Tribunal de Justiça do Amazonas derrubou a lei 1.679/2012, proposta pelo vereador Marcel Alexandre (PHS), que fazia tal exigência.

Alexandre também é apóstolo do Ministério Internacional da Restauração.

O desembargador Sabino Marques, relator do caso, julgou que essa lei de Manaus contraria o princípio do Estado laico.



“O Estado deve abster-se de manifestar efeitos negativos que podem afastar-se da sua neutralidade com relação à religião.”

Os vereadores de Manaus tiveram uma segunda derrota em março de 2019, quando o ministro Marco Aurélio Mello, do STF, negou uma liminar para restabelecer a validade da lei.

“O Estado não é religioso, tampouco é ateu. É simplesmente neutro ”, disse o ministro.

A terceira derrota da Câmara ocorreu agora, com a confirmação pelo STF da inconstitucionalidade da lei.

Com informação do STF e de outras fontes.



Vereadores de Manaus se dedicam mais à religião do que à cidade

Governador de Goiás veta lei que obrigava leitura da Bíblia nas escolas

TJ-RJ decide que distribuição de Bíblia a estudantes é ilegal

Prefeito finge crer que Bíblia ensina ciência para agradar fundamentalistas




Comentários

  1. Trabalhar e fazer leis de verdade ... esta longe da agenda desses fanáticos (quer dizer .. espertos)

    ResponderExcluir

Postar um comentário


EDITOR DESTE SITE

Paulo Roberto Lopes é jornalista

profissional diplomado. Trabalhou

no jornal centenário abolicionista

Diario Popular, Folha de S.Paulo,

revistas da Editora Abril e

em outras publicações.

Contato