Zezé Mota teve conflito com sua mãe por causa das Testemunhas de Jeová

Zezé Mota foi "convidada"
 a sair da religião quando
posou nua para a
capa de uma revista

A atriz Zezé Mota (foto), 75, se dá bem com mãe, mas nem sempre foi assim. Por algum tempo as duas tiveram atritos por causa de religião.

Zezé foi batizada na seita Testemunha de Jeová, que sua mãe segue até hoje.

Quando completou 15 anos, Zezé já tinha percebido que aquela religião não era para ela. Mas rompimento formal só ocorreu quando ela tinha 23 anos.

Depois de ter posada nua para a revista "Desfile", para divulgar o filme "Xica da Silva" [1976], a Pérola Negra, como a atriz passou a ser conhecida, foi "convidada" pelos fundamentalistas da religião a não mais comparecer aos encontros de fiéis.

Atualmente, para não contrariar sua mãe, Zezé evita conversar com ela sobre religião.

"Mamãe está fazendo 95 anos. Não vou ficar batendo de frente com ela."

Houve uma época em que sua mãe tentou convencê-la a volta para a Igreja.

"Tivemos várias conversas bastante francas. Disse para ela: 'Mamãe, não adianta em voltar para a congregação das Testemunhas de Jeová para te agradar, porque Jeová vai saber que estarei mentindo'".

Na adolescência, parte do estudo ela fez em um internado espírita, crença que o seu pai seguia.

Lembra que a Mãe Áurea, fundadora do internato, às vezes baixava na sessão e nos trazia recados.

Ela também se identifica espiritualmente com a umbanda e o candomblé.

"Sou Oxum — Opará, filha de Oxum com Iansã."

Mas disse que é dada à reflexão, tem interrogações e dúvidas.

"Fico pensando: “E aí, qual é o sentido da vida?”.

Com informação da Trip.



Na Rússia, Testemunhas de Jeová tomam do seu próprio veneno

China indicia 18 Testemunhas de Jeová sob acusação de pregarem superstição

Tribunal russo mantém prisão de Testemunha de Jeová acusado de extremismo

MP da Itália investiga perseguição de Testemunhas de Jeová à ex-fiel



Comentários

EDITOR DESTE SITE



Paulo Lopes é jornalista profissional diplomado.
Trabalhou no jornal centenário abolicionista
Diário Popular, Folha de S.Paulo, revistas da
Editora Abril e em outras publicações.