Lei anti-ciência de Ohio permite que alunos deem resposta com base na religião

Se for aprovada pelo
 Senado Estadual, os dogmas
 religiosos vão aniquilar o ensino
da ciência nas escolas

A Câmara dos Deputados do Estado de Ohio (EUA) aprovou uma lei que permite que os alunos respondam nas provas questões com base na sua religião, mesmo que cientificamente eles estejam errados.

A chamada "Lei das Liberdades Religiosas dos Estudantes" foi aprovada no dia 13 de novembro de 2019 por 61 votos contra três, com o apoio de todos os deputados republicados.

Agora a lei será submetida ao Senado Estadual, onde os republicanos são maioria.

Se a lei for aprovada, um aluno poderá responder, por exemplo, que a Terra tem 6 mil anos, de acordo com a Bíblia, e não 4,5 bilhões de anos, de acordo com estudos de cientistas baseados na crosta terrestre.

Os trabalhos escolares também poderão ser feitos de acordo com os dogmas religiosos.

A lei determina explicitamente que as escolas não podem penalizar estudantes que nos exames deem resposta coerente com sua crença religiosa, mesmo que contrariem os ensinamentos da comunidade científica.

Também autoriza os estudantes a usarem as instalações escolares para encontros religiosos e remove a proibição de que nos intervalos das aulas haja proselitismo religiosos.

Em outras palavras, a lei, se sua aprovação for confirmada, transforma as escolas de Ohio em templos religiosos e aniquila o ensino da ciência, mesmo tendo de admitir o que resultado de dois mais dois continua sendo quatro.


Com informação do texto da lei e de outras fontes.



Deus e governo são mistura perigosa, alerta outdoor de humanistas do Tennessee

Maioria dos americanos não quer envolvimento da religião com política

Governador do Alabama diz que seus 'irmãos' são apenas os cristãos

Corte Suprema recusa pedido para a retirada de Deus do dólar