Pular para o conteúdo principal

MPF pede reparação às vítimas de intolerância religiosa na Baixada Fluminense

Ataques a terreiros ocorrem
principalmente em Duque de
 Caxias e Nova Iguaçu

por Assessoria de Comunicação Social
da Procuradoria da República no Rio de Janeiro

O Ministério Público Federal (MPF) expediu duas recomendações a órgãos municipais, estaduais e federais para que sejam adotadas medidas de reparação às vítimas de atos de intolerância e violência religiosa nos municípios de Duque de Caxias e Nova Iguaçu. 

A recomendação foi encaminhada à Secretaria Nacional de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (União), à Secretaria de Assistência Social e Direitos Humanos do Estado do Rio de Janeiro e às Prefeituras de Duque de Caxias e Nova Iguaçu.

Os documentos (Recomendações n° 8 e 9/2019) sugerem à Secretaria Nacional de Políticas de Promoção da Igualdade Racial que estipule, em até 60 dias, políticas de reparação às lideranças religiosas que sofreram ataques e ameaças. 

A recomendação ressalta a necessidade do estabelecimento de compensações pelos danos sofridos e formas simbólicas de reparação.

Em relação à Secretaria de Estado de Assistência Social e Direitos Humanos, foi recomendada a implementação de projetos que ainda não saíram do papel, que tratem da assistência e do atendimento às vítimas de intolerância e violência religiosa, com foco especial para a Baixada Fluminense, nos Municípios de Duque de Caxias e Nova Iguaçu.

O MPF também recomenda às Prefeituras de Duque de Caxias e Nova Iguaçu, além das Secretarias Municipais de Assistência Social e Segurança Pública de ambos os municípios, o estabelecimento de políticas de reassentamento aos terreiros vítimas de perseguição religiosa — caso este seja o desejo das vítimas. 

Além disso, propõe-se a criação de espaços de valorização e debate acerca da pluralidade religiosa, por meio de realização de eventos e discussões em áreas centrais da cidade, além do estabelecimento de medidas de memória do culto religioso de matriz africana. 

Requer-se, também, a adoção de medidas como melhorias no acesso aos terreiros e iluminação pública, como forma de prevenção.

Segundo o procurador da República Julio José Araujo Junior, “após quase um ano de apuração, é possível identificar omissões claras dos entes federativos em garantir a liberdade religiosa dessas comunidades, seja no âmbito da segurança pública, seja no âmbito promocional”. 

“É por isso que as medidas de reparação devem ser implementadas e amplamente discutidas com as vítimas e familiares”, acrescenta.




Jornal critica intolerância evangélica contra umbanda

Evangélicos de escola de música de universidade do Rio se recusam a cantar Villa-Lobos

'Bandidos de Jesus' destroem terreiro de candomblé na Baixada Fluminense

Diarista espírita foi demitida por evangélica por causa de religião




Comentários

Posts mais acessados na semana

No Brasil, mulher que não crê em Deus é submetida à opressão em dobro

Cobrado por aluguel de templo, Valdemiro diz não ter contrato social com a Igreja Mundial

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade