Ex-ministro reclama que Dilma deu anúncio à Record mas não teve apoio da Universal

Gilberto Carvalho disse
 que a presidente Dilma
 não teve apoio dos
aliados evangélicos

[opinião, notas de um ateu] O católico praticante Gilberto Carvalho, ex-ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República no governo Dilma (PT), tem se queixado do bispo Edir Macedo, líder da Igreja Universal e dono da TV Record.

Em entrevista à revista Reconexão Periferias, da Fundação Perseu Abramo, vinculada ao PT, ele disse ou, para ser mais exato, confessou:

"O PRB, que era o partido ligado à Universal e à TV Record, votou contra [a Dilma, na questão do impeachment], apesar do apelo que a presidenta fez ao Edir Macedo, que fora muito beneficiado por nossa política de comunicação, com concessões, anúncios."

Hoje, o Edir Macedo está sendo "muito beneficiado" pelo presidente Bolsonaro.

Quem faz esse tipo de toma-lá-cá merece mesmo ser traído.

Dilma e Edir Macedo se mereceram.

O problema é que a barganha (não honrada pelo bispo) foi feita com o dinheiro da população.

Carvalho lamentou, na entrevista, que o PT perdeu influência em segmentos da população pobre por causa do fundamentalismo religioso (evangélico e católico), que tem uma pregação de perseguição aos homossexuais e de veto ao aborto.

Já que Carvalho resolveu falar com a sinceridade de confessionário, ele poderia ter lembrado que o responsável por escancarar as portas da política-partidária ao fanatismo religioso foi o seu amigo Lula, de cujo governo já tinha sido ministro.

Lula quis dar uma de esperto: fez um conluio com Edir Macedo e similares e deu no que deu.

Carvalho não contou tudo no confessionário. Desse jeito, ele vai para o inferno.

Com informação da Reconexão Periferias e foto de divulgação.



Quem legitimou evangélicos na política foi Lula, diz sociólogo

Lula pediu apoio de Edir e de Valdemiro contra impeachment de Dilma

Lula ajudou a Universal a se expandir na África, diz Crivella

Em campanha por Dilma, Lula sanciona lei da Marcha para Jesus




Comentários

Anônimo disse…
Diz que é a favor do aborto e da legalização da maconha até chegar a eleição, depois muda de opinião e volta atrás de tudo pra agradar as lideranças da igreja que injetam dinheiro oriundo da lavagem de dinheiro do tráfico de drogas na campanha desses lixos. Eu não acredito mais em petistas, só pensam em interesses próprios.