Pular para o conteúdo principal

Escócia concede perdão às pessoas condenadas por homofobia

Governo disse que
 decisão corrige um
 erro histórico


por  Deutsche Welle 

O governo da Escócia concedeu nesta terça-feira (15 de outubro de 2019) perdão a todos os homens homossexuais e bissexuais que foram condenados por terem cometido relações sexuais com indivíduos do mesmo sexo, sob uma legislação que vigorou até a década de 1980.

Segundo o governo, a medida visa corrigir um erro histórico. "Não há mais lugar para homofobia, ignorância e ódio na Escócia moderna", afirmou o secretário escocês de Justiça, Humza Yousaf. O perdão só foi possível graças a uma lei aprovada pelo Parlamento escocês em 2018.

"A legislação cumpre os compromissos assumidos pela primeira-ministra, que pediu desculpas pelas leis discriminatórias e agora ultrapassadas e pelos danos causados a muitos", acrescentou Yousaf.
Em 2017, a primeira-ministra escocesa, Nicola Sturgeon, pediu desculpas publicamente aos homens afetados pelo "erro histórico" das condenações.


A relação sexual entre indivíduos do mesmo sexo foi descriminalizada no país em 1980. Somente em 2001, a idade mínima referente ao consentimento foi igualada entre casais heterossexuais e homossexuais.

Centenas de homens na Escócia possuem registro criminal devido a condenações por essa lei discriminatória, que punia também o beijo entre homens e até mesmo o flerte homossexual. "Uma condenação dessa poderia significar o fim da carreira, a perda de amigos e da família. Todos esses enormes impactos", afirmou o diretor da organização Equality Network, Tim Hopkins.

A Equality Network estima que milhares de homens tenham sido processados por serem homossexuais nos últimos 150 anos. O ato sexual entre mulheres nunca foi criminalizado em vários países e, na maioria das vezes, nem era reconhecido como tal.

De acordo com a medida que entrou em vigor, todos os afetados receberão o perdão, incluindo aqueles que já morreram. Os impactados devem, no entanto, entrar com um processo administrativo, que será gratuito, para receber a anistia e limpar o registro criminal.

A Inglaterra e o País de Gales já aprovaram leis semelhantes, mas foram criticados por seu escopo limitado. O sistema jurídico escocês é independente do sistema dos outros integrantes do Reino Unido.

A Escócia tem sido regularmente conceituada como um dos países mais avançados da Europa em relação às proteções legais para membros da comunidade LGBTI — apesar de ter descriminalizado a homossexualidade somente 13 anos depois da Inglaterra e do País de Gales.

Em 2016, a então líder do Partido Trabalhista Escocês, Kezia Dugdale, descreveu a Escócia como o país com "o Parlamento mais gay do mundo". Na época, quatro dos seis líderes partidários do país se identificavam como lésbica, gay ou bissexual 
 — incluindo a própria Dugdale.

Deutsche Welle uma emissora da Alemanha que produz jornalismo em 30 idiomas.



Escócia é o primeiro país a incluir direitos LGBTI no currículo escolar

Acusação de assédio derruba cardeal da Igreja na Escócia

Uniões humanistas na Escócia tendem a superar as religiosas

Na Escócia, os sem religião são 72,5%, apura nova pesquisa




Comentários

Anônimo disse…
Do jeito que vc botou o título ficou parecendo que concedeu perdão aos homofóbicos, arruma aí.
Quando você diz que "Escócia concede perdão às pessoas condenadas por homofobia" parece que homofóbicos foram perdoados, o que não é, claramente, o caso.

Posts + acessados nos 30 dias mais recentes

Morre de Covid-19 pastor bolsonarista que defendia uso da cloroquina

Angolanos expulsam os pastores brasileiros de 30 templos da Universal

Edir Macedo amaldiçoa angolanos que expulsaram pastores brasileiros de templos

Hackers invadem conta de Malafaia e doam R$ 10 mil à Cruz Vermelha

Bispo Edir Macedo é internado com suspeita de estar com Covid-19