Rabino passa herpes a bebê em ritual ao sugar ferida da retirada do prepúcio

O Departamento de Saúde de Nova York alertou os médicos em comunicado que houve novo caso de contaminação do vírus da herpes em um bebê por intermédio de um ritual do judaísmo ultraortodoxo.

Durante o metzitzah b'peh [um exemplo no vídeo abaixo], em meio a orações, o rabino corta o prepúcio do bebê, sem anestesia, e após estanca o sangramento da ferida com a boca.

Trata-se do primeiro caso de herpes neonatal relacionado ao ritual judaico desde março de 2017.

A criança foi circuncidada no oitavo dia de vida, de acordo com que determina a crença desses judeus, e as erupções causadas pelos vírus se manifestaram dez dias depois na genitália, virilha e nádegas.

Os responsáveis pelo menino demoraram a levá-lo a um hospital porque desconheciam dos sintomas da doença.

Se não tratado a tempo, o herpes pode ter consequências graves, como a cegueira.

Em 2012, a prefeitura de Nova Yorque aprovou uma lei determinando que o metzitzah b'peh só pode ser realizado com uma autorização por escrito dos pais ou responsáveis pelo bebê.








Ultraortodoxos insistem em sugar circuncisão de bebês

Metade dos judeus americanos duvida da existência de Deus

Judeus hassídicos de Nova Iorque se opõem à proibição do uso de pele de animais

Documentário mostra impacto do fanatismo religioso na saúde da mulher





Comentários

EDITOR DESTE SITE

Paulo Lopes é jornalista profissional diplomado. Trabalhou no jornal centenário abolicionista Diário Popular, Folha de S.Paulo, revistas da Editora Abril e em outras publicações. WhatsApp de contato.