Igreja Católica da Austrália paga à vítima indenização de R$ 2,8 milhões

Por três décadas, Ridsdale
molestou crianças e adolescentes
com a conivência da Igreja

A Igreja Católica da Austrália fez acordo com uma vítima de abuso sexual por um padre, concordando pagar indenização equivalente a R$ 2,81 milhões.

O caso já estava tramitando no Supremo Tribunal do Estado australiano onde ocorreu o estupro, em Victoria.

A vítima JCB foi atacada pelo padre quando tinha nove anos, na cidade de Mortlake [mapa abaixo], entre 1981 a 1982.

O padre é Gerald Ridsdale (foto), que se encontra preso por ter molestado mais de 60 crianças durante três décadas.

Ele admitiu culpa em pelos menos cinco casos.

Nos anos 70, Ridsdale morou e deu aulas em um seminário, tendo como colega George Pell, que se tornaria cardeal, tesoureiro do Vaticano e conselheiro do papa Francisco.

Em março de 2019, a Justiça da Austrália julgou Pell culpado por abuso de dois meninos em Melbourne nos anos 1996 e 1997. Ele foi condenado a seis anos de prisão.

Judy Courtin, advogada de JCB, disse que o acordo abre um precedente para que a Igreja Católica, em vários países, indenize outras vítimas sem a necessidade de longa tramitação de caso na Justiça.


Com informação das agências.



Milhões de australianos se afastam da Igreja Católica com raiva e nojo

Abuso em coral alemão desmente narrativa defendida por Bento 16

Pedófilo obteve da Igreja Católica carta de recomendação para trabalhar na Disney

Igreja Católica do Texas divulga nomes de 300 padres predadores




Comentários