Pular para o conteúdo principal

Universal desvirtua objetivo da Igreja ao fixar meta para dízimo, decide Justiça

Pastor entrou na Justiça
 pedindo direitos trabalhistas
 alegando que tinha de
meta de arrecadação 

Ao fixar meta para o dízimo, a Universal desvirtua sua finalidade religiosa, criando, em consequência, uma ligação empregatícia entre a Igreja e quem recebe a atribuição de atingir a arrecadação projetada, o pastor.

Esse é o entendimento da 8.ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 2.ª Região (TRT-2), o que garantiu a um pastor desligado da Igreja todos os direitos trabalhistas.

Esse pastor recorreu à Justiça com o argumento de que tinha de cumprir metas de arrecadação de doações e dízimos 'que aumentavam mês a mês'.

Afirmou nos autos que ele tinha de se dedicar exclusivamente à Universal. porque a Igreja o proibia de ter outra ocupação.

Em primeira instância, a sentença foi desfavorável ao pastor, mas ele ganhou a causa em segunda.

Ainda cabe recurso da Universal.

A Igreja contesta a sentença afirmando não ser possível fixar “metas” porque não se sabe quantas pessoas vão comparecer ao culto e, dos fiéis que forem, o valor de contribuição de cada um deles.

Não é o primeiro caso na Universal e em outras igrejas evangélicos de sacerdote que recorrem à Justiça do Trabalho.

Em um vídeo [ver abaixo] divulgado em 2010 pela Folha de S.Paulo,  o bispo Romualdo Panceiro, que então fazia parte da direção da Universal, orienta pastores via teleconferência como eles devem pressionar os fiéis a fazerem doações.

Panceiro evita falar em meta de arrecadação, mas anuncia que quem mais coletar mais dinheiro ganhará viagem como prêmio, a exemplo do que ocorre em empresas privadas.



Com informação do Tribunal Regional do Trabalho, da Igreja Universal e de outras fontes.



Universal obtém R$ 1,4 bi por ano só com doações, diz Veja

Universal investe em campanha para atrair a classe média

Universal tirou ilegamente dólares de Angola, diz ex-bispo

Em Moçambique, Universal é chamada de 'Igreja dos Ladrões'

MP diz que Iurd usa jatinhos para tirar do país dinheiro do dízimo



Receba por e-mail aviso de novo post

Comentários

J. Cícero Costa disse…
Muitas Igrejas cristãs se transformaram em uma espécie de comércio bastante lucrativo. Alguns pastores, sobretudo pentecostais, estão comercializando a fé. Muitos deles, que não possuíam nada, hoje estão milionários à custa da ingenuidade de milhares de fiéis, pessoas simples e humildes em sua maioria, obcecados pelo discurso dos "vendedores da fé".

ALGUMAS IGREJAS ATUAM COMO VERDADEIRAS EMPRESAS, ONDE OS CLIENTES SÃO OS FIÉIS, O SERVIÇO PRESTADO É A CURA DA ENXAQUECA, E O PRODUTO COMERCIALIZADO É A PALAVRA DE DEUS.

Posts + acessados hoje

Malafaia faz campanha contra vacina: ‘Não podemos ser cobaias de chinês’

Negro apanha por suspeita de estar roubando seu próprio carro

Para não pagar imposto, TJs alegam que máquina de passar roupa é essencial à religião