Supremo Tribunal já tem ministro à toa. Falta agora um ateu

Será que o ateu britânico
Richard Dawkins, o segundo
 na foto à esquerda,
 aceitaria convite do
 Bolsonaro para ser
 ministro do STF


por Eduardo Bueno
para GuachaZh

Sei que o Estado é laico, mas será que não está na hora de termos um ministro umbandista no STF? Eu pergunto-lhes: existe algum, entre os 11 ministros do Supremo, que seja umbandista assumido?

Poxa, o Brasil é a pátria da umbanda, essa incrível seita sincrética que surgiu da mescla entre as religiões africanas e o cristianismo: a religião da mistura, da fusão, do “jeitinho”.

Além disso, na língua banto, “umbanda” significa “a arte de curar”. E ninguém em sã consciência deixará de admitir que o Brasil e o STF precisam ser curados. Não seria, portanto, hora de um ministro umbandista no STF?

Sei que o Estado é laico, mas será que não está na hora de termos um ministro budista no STF? Existe algum ministro do Supremo que seja budista assumido?

O budismo é do bem, você sabe: tudo na santa paz do Senhor, embora, tecnicamente, ele nem sequer seja uma religião, nem tenha “senhor”. Mas, poxa, a seita brotou na luxuriante Índia, não num deserto infértil, e há mais de 2,5 mil anos. E no fim ninguém padece na cruz: Buda vira luz. Não seria hora de um ministro budista no STF?

Sei que o Estado é laico, mas será que não está na hora de termos um ministro xamanista no STF?

Existe algum ministro do Supremo que seja xamanista assumido? Poxa, o Brasil deve tanto às suas raízes tupis. Tupi or not tupi, that’s the question. E os xamãs curavam doenças, tinham visões, orientavam as tribos na guerra e na paz. Aliás, viviam baforando o cachimbo da paz.

Não seria hora de um ministro xamanista a baforar no STF?

Sei que o Estado é laico, mas será que não está na hora de termos um ministro islâmico no STF? Poxa, há tanta incompreensão com o Islã, tanto sangue vertido em horrendas guerras religiosas. O Brasil não poderia dar mais um exemplo de sua proverbial tolerância religiosa ao mundo? Não seria hora de um ministro islâmico no STF?

Sei que o Estado é laico, mas não está na hora de termos um ministro espírita no STF? Ele daria passes, invocaria os mortos, se livraria dos encostos e dos encostados, faria sessões de descarrego e até uma eventual sessão do copo.

E um Hare Krishna no STF? Poxa, imagina a toga laranja dando cor àquelas asas negras que recobrem os demais e o suave som dos mantras. E um ministro Rajneesh então? Sei que toga vermelha é feia – nossas togas jamais serão vermelhas! –, mas, poxa, os Rajneesh são favoráveis ao amor livre!

E um ministro maçom? O STF não é nenhuma Casa Masson, bem o sei, mas, poxa, a maçonaria esteve por trás da Independência, da abolição e da República. Dom Pedro I, Dom Pedro II, o Barão de Mauá, Benjamin Constant, eram maçons. Não seria hora de um ministro reintroduzir a maçonaria no STF?

“Não me vem (sic) a imprensa dizer que quero misturar a Justiça com religião. Todos temos uma religião, ou não temos. Um tem que respeitar o outro.”

Por isso pergunto: não está na hora de termos um ministro ateu no STF? Pois ministro à toa parece que já temos.

Este texto foi publicado originalmente com o título Não está na hora de termos um ministro ateu no STF? A montagem acima das fotos e a legenda são deste site.





Critério para escolha de ministro do STF não pode ser religioso, diz Marco Mello

Evangélico no STF vem da versão bolsonarista de ‘nós contra eles’

Religião é irrelevante na escolha de ministro do STF, afirma Celso de Mello

Fé não pode influenciar decisões de Estado, afirma Mello

Magno Malta prepara toga para ser ministro do STF, diz revista de humor



Receba por e-mail aviso de novo post

Comentários