Bolsonaro concede passaportes diplomáticos a Edir Macedo e a sua mulher

Ester e Edir Macedo
 passam a representar
o Brasil no exterior

O Governo Bolsonaro concedeu passaportes diplomáticos ao bispo Edir Macedo, da Universal, e a mulher dele, Ester Eunice Rangel Bezerra, com validade de três anos.

A concessão foi oficializada com sua publicação no Diário Oficial, no dia 12 de abril de 2019.

Com o passaporte, Edir Macedo, que tem avião, pode se livrar da burocracia dos aeroportos de países, no embarque e desembarque.

Com o documento, ele e Ester se tornam legalmente representantes do Brasil no Exterior.

A decisão do presidente Bolsonaro atropela a Constituição, segundo a qual o Estado brasileiro é laico e não pode, portanto, favorecer direta e indiretamente religiões e líderes espirituais.

Edir Macedo, que apoiou todos os governos petistas, aderiu a Bolsonaro quando o candidato cresceu nas pesquisas, antes do primeiro turno.

O Ministério Público Federal poderá questionar na Justiça a decisão assinada pelo ministro Ernesto Araújo, do Itamaraty

Em 2016, durante o Governo Temer, a Justiça expediu liminar cancelando os passaportes diplomáticos do pastor R.R. Soares, da Igreja da Graça de Deus, e de sua mulher, Maria Magdalena Ribeiro.

Com informação das agências e foto de divulgação.




LiHS pede o fim de passaporte diplomático de pastores

Gays querem passaporte especial igual ao de pastores

Governo Lula deu ao bispo da Iurd Panceiro passaporte diplomático

Edir pede dispensa de vistoria em aeroporto por ser ‘enviado de Deus’



Receba por e-mail aviso de novo post

Comentários

  1. O Mijair Bolsonaro é um homem honrado! Não deixa dívidas não pagas para trás! Agora mesmo ele está pagando a fatura pelo palanque oferecido pelo" bispo" na Record durante a campanha presidencial!

    ResponderExcluir
  2. Só complementando a informação:
    O passaporte ao bispo Maiscedo não foi concedido agora.
    O bispo tem passaporte diplomático desde 2006, agora só houve a renovação do documento.


    Na minha opinião: O certo seria não ter esse benefício, pois o bispo e sua igreja não prestam serviço algum ao país.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

EDITOR DESTE SITE



Paulo Lopes é jornalista profissional diplomado.
Trabalhou no jornal centenário abolicionista
Diário Popular, Folha de S.Paulo, revistas da
Editora Abril e em outras publicações.