Político italiano anti-vacina é internado com catapora


Massimiliano Fedriga do Liga
Norte, de extrema direita.
Anti-vacinação, ele teve
catapora e foi hospitalizado


Massimiliano Fedriga, 38, governador da região de Friuli-Venezia Giulia, foi internado há seis dias por causa da varicela, doença a qual os brasileiros nomeiam com o termo tupi: catapora.

Até aí seria um fato normal, nem digno de notícia, caso  Massimiliano Fedriga não tivesse se notabilizado por ser um crítico veemente da obrigatoriedade de vacinação em toda a Itália. O feitiço virou contra o feiticeiro.

O governador Massimiliano Fedriga é membro do partido de extrema direita italiano,  Liga Norte, pelo qual atuou como chefe da Câmara de Deputados na votação do Decreto Lorenzin, que obriga a vacinação de crianças e adolescentes para matrícula em escolas.

O decreto foi proposto em 2015 pela então ministra da Saúde Beatrice Lorenzin (2013-18), de centro, e ganhou força no o debate público após um surto de sarampo em 2017. Fedriga era totalmente contra a obrigatoriedade da imunização infantil no país.

Tendo opiniões contrárias à direita e à esquerda, o Decreto Lorenzin foi afinal convertido em Lei pelo Senado em 7 de junho de 2017, determinando a vacinação obrigatória contra 12 diferentes doenças. A desobediência à lei pune os pais com multas pecuniárias e proíbe alunos 0 a 16 anos não imunizados de frequentarem escolas e jardins de infância.

Ironia

Passados apenas 20 meses da aprovação da lei de vacinação, Massimiliano Fedriga contraiu catapora e teve que ser internado em Údine por alguns dias.

Com Corriere della Sera e outros veículos






Aviso de novo post por e-mail

Canadense antivacina causa surto de sarampo em Vancouver

Líder americana de campanha antivacina morre de gripe suína e meningite

Vacina tríplice não aumenta risco de autismo, concluiu pesquisa




Quem se opuser às vacinas deve responder por crime, diz Varella


A responsabilidade dos comentários é de seus autores.


-----

Comentários

EDITOR DESTE SITE



Paulo Lopes é jornalista profissional diplomado.
Trabalhou no jornal centenário abolicionista
Diário Popular, Folha de S.Paulo, revistas da
Editora Abril e em outras publicações.