Líder americana de campanha antivacina morre de gripe suína e meningite

Aos 26 anos, Bray Payton (foto), líder de campanha antivacina, morreu em consequência de duas doenças para as quais há imunização: gripe suína e meningite.

Quando a jovem
 soube de seu equívoco,
 já era tarde

Em 2011, durante uma campanha de imunização contra coqueluche, Bre, como era chamada, comparou no Twitter a vacinação “ao demônio”.

Ela acabou sabendo que o “demônio” está na recusa à vacinação, mas para já era tarde.

Bre morreu no dia 28 de dezembro de 2018 na Califórnia, com grande repercussão porque era apresentadora de TV.


Também editava o site The Federalist, de tendência conservadora nos costumes e de pregação anticiência.

Tem caído nos Estados Unidos o índice de vacinação, por razões religiosas e pelo medo de haver uma contaminação pelo vírus da doença, o que existe em alguns casos, mas o risco é mínimo e vale a pena corrê-lo.

Na prática, o que ocorre é o resultado da lei de Darwin: quem não se adapta ao seu meio ambiente acaba sendo extinto.

Foi assim que ocorreu a evolução das espécies.

"Vacinação é do diabo"

Com informação das agências e foto de divulgação.



Aviso de novo post por e-mail

Pastor se opõe à vacinação para combater sarampo no Canadá

Igreja Católica boicota vacinação contra a poliomielite no Quênia

Quem quiser morrer pela 'cura' da fé que morra, não crianças




Quem se opuser às vacinas deve responder por crime, diz Varella


A responsabilidade dos comentários é de seus autores.

Comentários

  1. Essa notícia não é totalmente verdadeira. A senhora era conservadora mas a comparação que fez no twitter, quando tinha 19 anos, era num tom irónico.

    Penso que o Jornal El País foi o único que se retratou até o momento.

    https://elpais.com/sociedad/2019/01/04/actualidad/1546613323_484502.html

    Fe de errores

    En una primera versión de esta información se mencionaba que la comunicadora era una activista antivacunas por una interpretación errónea de su actividad en redes sociales.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Um tweet de anos atrás te faz virar líder de uma campanha antivacina.

      Excluir
  2. Achei a moça coerente. É (foi) uma crente, conservadora etc ... Pior é o hipócrita, que é crente, conservador, fala que o deus maravilhoso dele é o tal que o protege, mas esta sempre apelando a ciência .... vacinas, remédios etc.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

-------- Busca neste site