Meteoro explode perto da Terra com potência de 11 bombas de Hiroshima, diz Nasa

Ate da Nasa mostra como
 foi o evento que ocorre
em média duas vezes
a cada século

A NASA reportou que uma grande explosão de meteoro sobre o mar de Bering, perto da península de Kamchatka na Rússia, em dezembro de 2018 passou despercebida mesmo se tratando da segunda em potência nos últimos 30 anos de observação, de acordo com a BBC.

A bola de fogo explodiu 25,6 quilômetros acima da superfície da Terra, com impacto de energia equivalente a 173 quilotons, o que é 11 vezes mais potente do que a bomba lançada em Hiroshima, que correspondia a 15 quilotons.

Algumas imagens coloridas do meteoro que sobrevoou o Pacífico Norte em dezembro de 2018, tiradas pelo satélite do Japão Himawari. O meteoro é muito claro aqui — bola de fogo laranja brilhante contra o fundo azul e branco!




O meteoro entrou na atmosfera da Terra em um ângulo íngreme de 7 graus e a uma velocidade de uns 32 km/s. Ele passou um tempo despercebido pela NASA, que foi mais tarde informada sobre a explosão pela Força Aérea dos EUA.

Apesar de produzir a segunda explosão na atmosfera mais potente nos últimos 30 anos, o meteoro do mar de Bering passou despercebido, pois explodiu sobre o mar e não sobre uma área habitada, como aconteceu com o meteoro de Chelyabinsk em 2013, sendo a explosão mais potente das últimas três décadas.

Na época, a mídia foi inundada por vídeos e fotos da bola de fogo no céu da cidade russa. O meteoro explodiu cerca de 30 quilômetros acima da Terra com uma potência de 400 a 500 quilotons, embora grande parte dele tenha sido sugada pelas espessas camadas atmosféricas. Ainda assim, a explosão aérea de 2013 danificou milhares de edifícios na cidade russa.

Com informação da Nasa e de outras fontes.





Aviso de novo post por e-mail

Grande meteoro caiu a 1.000 k da costa brasileira, informa Nasa

Vídeo mostra pedaço de meteoro caindo em Varginha

Quem se opuser às vacinas deve responder por crime, diz Varella




'Luz divina' que fez Paulo virar cristão era meteoro, diz estudo


A responsabilidade dos comentários é de seus autores.

Comentários

-------- Busca neste site --------