STF vai julgar se crenças de matriz africana podem sacrificar animais


Lei do Rio Grande 
do Sul proíbe crueldade
a animais, mas abre 
exceção para seguidores
do Candomblé

[notícia]

O Supremo Tribunal Federal vai julgar neste mês, agosto de 2018, a proposta do Ministério Público do Rio Grande do Sul segundo a qual a lei daquele Estado que permite sacrifício de animai em rituais de crenças de matriz africana é inconstitucional.

A lei proíbe crueldade aos animais, mas abre exceção para os rituais como os do Candomblé.


O MP-RS aguarda uma decisão desde 2005, quando deu entrada naquela Corte ao RE (Recurso Extraordinário) 494.601.

O tema é polêmico.

Sacerdotes dessas crenças argumentam que a morte dos animais ocorre sem crueldade. Entidades de defesa aos animais discordam.

Para o Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, a lei é constitucional, considerando que os animais sejam mortos “sem excessos ou crueldades”.

O relator do recurso é o ministro Marco Aurélio.

A decisão do STF valerá para todos os Estados.

Com informação do Supremo Tribunal Federal e de outras fontes.


Terreiros dizem que crítica a sacrifício de animais é racismo

Umbandista polêmico critica sacrifício de animais

Muçulmano diz que abate ‘prima pelo bem-estar’ do animal



Sacrifício de animais esconde o fundamento das religiões

A responsabilidade dos comentários é de seus autores.

Comentários

  1. Coisa de ativista vegano. O que é estranho é ser ateu. Não acredita em alma, espírito, entidade porque não tem "evidência de existência" mas acredita que animais são sencientes mesmo sem evidência.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

EDITOR DESTE SITE



Paulo Lopes é jornalista profissional diplomado.
Trabalhou no jornal centenário abolicionista
Diário Popular, Folha de S.Paulo, revistas da
Editora Abril e em outras publicações.