Na Irlanda, Francisco admite fracasso da Igreja em combater 'crimes repugnantes'


Na Irlanda, mais
 de 14 mil pessoas se
declaram vítimas de
 padres, desde 2002

por Deutsche Welle

O papa Francisco reconheceu neste sábado (25 de agosto de 2018) em Dublin [mapa abaixo] o fracasso da Igreja Católica irlandesa para enfrentar adequadamente o que chamou de "crimes repugnantes” de membros do clero local.

"Não posso deixar de reconhecer o grave escândalo causado na Irlanda pelos abusos a menores por parte de membros da Igreja encarregados de protegê-los e educá-los", disse.

Francisco fez tal afirmação durante um discurso às autoridades irlandesas no início de sua visita de dois dias ao país, onde vai participar do Encontro Mundial das Famílias. Esta é a primeira viagem oficial de um papa à Irlanda em 39 anos.

Em seu discurso, no salão de São Patrício no Castelo de Dublin, Francisco também reconheceu que "o fracasso das autoridades eclesiásticas – bispos, superiores religiosos e sacerdotes – na hora de enfrentar adequadamente esses crimes repugnantes, suscitou justamente indignação e permanece como motivo de sofrimento e vergonha para a comunidade católica".


Desde 2002, cerca de 14.500 pessoas se declararam vítimas de abusos sexuais cometidos por padres na Irlanda.

A visita do papa à Irlanda também ocorre logo após a divulgação nos Estados Unidos de um relatório que aponta ao longo de 70 anos mil menores sofreram abuso sexual por parte de 300 sacerdotes. Recentemente, autoridades eclesiásticas do Chile e da Austrália também foram acusadas de acobertar abusos.

Após o discurso, o papa se reuniu durante uma hora e meia com oito vítimas de abusos. O encontro, que já tinha sido anunciado pelo Vaticano às vésperas da viagem, aconteceu na nunciatura da capital irlandesa durante um momento de pausa na agenda do pontífice.

A reunião foi "com oito vítimas de abusos por parte do clero, de religiosos e institucionais", informou o porta-voz do Vaticano, Greg Burke.

Em comunicado da Coalizão das Famílias, Mães e Filhos da Irlanda, duas pessoas deste grupo que participaram do encontro explicaram que o Francisco condenou a corrupção e os acobertamentos e os qualificou de "sujeira".

Entre eles estiveram Marie Collins, que fez parte da Pontifica Comissão para a proteção de menores criada pelo papa. 

Outras vítimas presentes foram os reverendos Patrick McCafferty e Joe McDonald, Damian O'Farrel, Paul Jude Redmond, Clodagh Malone e Bernadette Fathy, enquanto outra vítima, abusada pelo sacerdote Tony Walsh, preferiu ficar no anonimato.

Durante o encontro do papa com as autoridades irlandesas, o primeiro-ministro do país, Leo Varadkar, pediu ao papa que use sua "posição e influência" para tentar fazer "justiça" às vítimas dos abusos cometidos por membros do clero no mundo inteiro.

"As feridas ainda estão abertas e há muito a ser feito para que as vítimas e sobreviventes obtenham justiça, verdade e cura. Santo Padre, peço que use sua posição e influência para conseguir este feito aqui na Irlanda e em todo o mundo", declarou Leo Varadkar por ocasião da visita do pontífice à Irlanda.

"Devemos garantir que as palavras sejam seguidas de ações", insistiu em seu discurso."É uma história triste e vergonhosa, uma mancha em nosso Estado, nossa sociedade e na Igreja Católica", estimou Varadkar.

Nas últimas décadas, a Igreja Católica irlandesa vem perdendo influência devido aos escândalos de pedofilia e à evolução dos costumes neste país de quase cinco milhões de habitantes.

No censo de 1981, dois anos após a histórica visita de João Paulo 2° à Irlanda, 93% da população do país dizia ser católica. No último censo, em 2016, o número de católicos tinha caído para 78%.

Após a chegada do papa em Dublin, vários grupos de vítimas dos abusos organizaram protestos neste sábado na capital. Um desses atos ocorreu em frente ao Castelo de Dublin, onde o papa fez o discurso sobre a responsabilidade da Igreja.

O protesto foi organizado pela irlandesa Margaret McGuckin, sobrevivente dos abusos cometidos por religiosas no internato Casa de Nazaré e impulsora de um dos órgãos estatais de investigação de casos históricos de abusos.



Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas.


Ex-presidente da Irlanda diz que batismo de bebê é violar direitos humanos

Irlanda foi uma teocracia que tratou mulheres como escórias

Vala de antigo convento da Irlanda tem ossos de 800 bebês




Igreja Católica do Brasil tem menos pedófilos do que outras?

A responsabilidade dos comentários é de seus autores.

Comentários

-------- Busca neste site