Justiça da Pensilvânia identifica 300 padres que abusaram de mil crianças


Relatório constatou
 que a Igreja Católica dá
proteção aos pedófilos
[notícia]

A Suprema Corte da Pensilvânia (EUA) divulgou um relatório com a identificação de 300 padres daquele Estado que abusaram sexualmente de pelo menos mil crianças ao longo de 70 anos. 

O Procurador Geral do Estado, Josh Shapiro, disse que a Igreja Católica sempre agiu para encobrir os criminosos.

Ele afirmou que o número de vítimas pode ser maior porque muitas delas não tiveram coragem suficiente para enfrentar a hierarquia da Igreja, de modo a denunciar os pedófilos.

Além disso, muitos registros dos casos mais antigos se perderam.


Só a introdução do relatório tem 1.400 páginas.  Ele foi elaborado com documentos das oito dioceses de Pensilvânia.

“Conseguimos acesso a meio milhão de documentos internos da Igreja”, disse Shapiro.

Apesar da pregação do papa Francisco de tolerância zero com a pedofilia, a Igreja tentou impedir a divulgação do relatório, sob a alegação de que haveria violação de direitos constitucionais dos predadores.


Com informação das agências.


Desculpa de padre que tentou abusar de menina de 11 anos: ‘Pensei que ela tivesse 15’

Papa mente ao dizer que combate a pedofilia

Padre é acusado de masturbar crianças de seminário




Igreja Católica do Brasil tem menos pedófilos do que outras?

A responsabilidade dos comentários é de seus autores.

Comentários


  1. A autoridade inquestionável - que jamais precisa prestar conta de seus atos a ninguém a não ser amigos imaginários - só produz esse tipo de abuso. E as vítimas preferenciais desses covardes são sempre os vulneráveis, incapazes de se defender por conta própria: crianças, idosos, enfermos, mulheres fragilizadas etc.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

-------- Busca neste site