Pular para o conteúdo principal

Enviado do papa investiga denuncias de pedofilia envolvendo bispo brasileiro


Dom Tomé
estaria acobertando
 padres pedófilos
de sua diocese

Um enviado do papa Francisco esteve em São José do Rio Preto (SP) [mapa abaixo] investigando denúncias de pedofilia envolvendo o bispo Tomé Ferreira da Silva (foto), responsável pela diocese daquela cidade.

De acordo com denúncias que começaram a serem feitas em 2015, dom Tomé está acobertando padres próximos a ele que teriam violentado jovens.

O próprio bispo já teve de responder por um relacionamento sexual que teria tido com seu motorista.


Dom José Negri, o enviado e amigo de Francisco, colheu 50 depoimentos de seminaristas e padres.

Um dos casos relatados é o do padre Manoel Bezerra Lima, que chegou a ser preso em novembro de 2017 com um celular onde tinha fotos e vídeos de pornografia infantil.

Lima foi denunciado à polícia pela mãe de um adolescente de 17 anos com o qual o padre estaria tendo um relacionamento.

Dom Tomé foi alertado sobre esse caso e nada fez, de acordo com as denúncias.



Manual da Igreja Católica dos EUA orienta como acobertar estupradores

Desculpa de padre que tentou abusar de menina de 11 anos: ‘Pensei que ela tivesse 15’

Abuso de criança por padres é culpa dos pais, afirma arquidiocese




Igreja Católica do Brasil tem menos pedófilos do que outras?

A responsabilidade dos comentários é de seus autores.

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Padre associa a tragédia das enchentes ao ateísmo de gaúchos. Vingança de Deus?

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Santuário de Aparecida inaugura mosaicos de padre suspeito de abuso sexual

Marcha para Jesus no Rio contou com verba de R$ 2,48 milhões

A prefeitura do Rio de Janeiro liberou R$ 2,48 milhões para a realização ontem (sábado, 19) da Marcha para Jesus, que reuniu cerca de 300 mil evangélicos de diferentes denominações. Foi a primeira vez que o evento no Rio contou com verba oficial e apoio institucional da Rede Globo. O dinheiro foi aprovado para a montagem de palco, sistema de som e decoração. O pastor Silas Malafaia, um dos responsáveis pela organização da marcha, disse que vai devolver R$ 410 mil porque o encontro teve também o apoio de sua igreja, a Assembleia de Deus Vitória em Cristo. “O povo de Deus é correto”, disse. “Quero ver a parada gay devolver algum dinheiro de evento.” Pela Constituição, que determina a laicidade do Estado, a prefeitura não pode conceder verba à atividade religiosa. Mas o prefeito Eduardo Paes (PMDB), que compareceu à abertura da marcha, disse que o seu papel é apoiar todos os eventos, como os evangélicos e católicos e a parada gay. A marcha começou às 14h e contou com sete trios

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão