Freiras de vários países revelam que são vítimas de abuso de sacerdotes


Religiosas afirmam
que seus superiores
 acobertam abusadores

[notícia]

Encorajadas pelo movimento #MeToo dos Estados Unidos, que incentiva a denúncia de abusos sexuais, freiras católicas da América do Sul, Europa, Ásia e África têm denunciado que também elas são vítimas de padres.

Uma delas contou a AP ter sido abusada por dois padres no período de um ano. Na primeira ocasião, o sacerdote avançou sobre ela durante uma confissão.


Depois que a tentativa de abuso se repetiu, no ano seguinte, ela passou a se confessar apenas com o seu mentor religioso, que vive em outro país.

Na semana passada, religiosas do Chile denunciaram que sofrem abusos de padres sem que seus superiores façam alguma coisa para impedir, mesmo sabendo há tempos da transgressão.

Recentemente, uma freira indiana acusou um padre de abuso sexual.

Em Uganda, um sacerdote bastante conhecido escreveu uma carta relatando os casos de padres romanticamente envolvidas com irmãs religiosas. Ele acabou sendo suspenso até que se desculpasse por ter feito a denúncia.

O Vaticano tem se recusado a comentar as denuncias das freiras com a alegação de que se trata de assunto do clero local.

Com informação de sites internacionais.


Vala de antigo convento da Irlanda tem ossos de 800 bebês

Freira canonizada tinha sido denunciante de padre pedófilo

Freiras trabalham em regime de escravidão para cardeais e bispos



Ex-freira Elizabeth, 73, conta como virou militante ateísta

A responsabilidade dos comentários é de seus autores.

Comentários

Busca neste site