Cartunista da Mafalda afirma ser favorável à legação do aborto


Quino acusa opositores da
 legalização de estarem usando
indevidamente a personagem
[notícia]

por Monica Yanakiew
para Agência Brasil

Até a Mafalda entrou na polêmica sobre a legalização do aborto na Argentina. A menina questionadora criada há mais de 50 anos pelo cartunista argentino Quino (Joaquin Lavado) continua atual.

Aprovado pela Câmara dos Deputados, o projeto de lei do aborto será votado pelo Senado no dia 8 de agosto de 2018 e tem mobilizado dois grupos de ativistas: as de lenço verde, que defendem o direito da mulher de interromper a gravidez, e as de lenço azul, que são contra.

Nesta semana, o cartunista Quino desmentiu que a personagem esteja fazendo campanha contrária ao aborto depois que imagens de Mafalda começaram a circular na internet com frases que a ligavam ao movimento pró-vida.


A menina rebelde, que nasceu questionando os adultos e foi traduzida para mais de vinte idiomas, foi vista nas redes sociais vestindo um lenço azul, com a frase “Salvemos 2 Vidas”.

Também nas redes sociais, uma frase, atribuída a Quino, tem sido divulgada: “Comentaram que estão usando, sem a minha permissão, uma imagem de Mafalda na campanha de legalização do aborto (o que me chateia). Aproveito para esclarecer que Mafalda sempre estará a favor da vida, portanto, não coloquem nela um lenço verde, porque sua cor é azul”.

A suposta posição de Mafalda foi contestada pelo cartunista em um comunicado

“Foram divulgadas imagens de Mafalda com o lenço azul que simboliza a oposição à lei de interrupção voluntária da gravidez. Não foi autorizado, não reflete a minha posição e solicito que seja removida. Sempre acompanhei as causas dos direitos humanos em geral, e a dos direitos humanos das mulheres em particular, a quem desejo sorte em suas reivindicações”.


Defensora da legalização do aborto no Brasil sofre ameaças de morte

Uma a cada cinco brasileiras já fez aborto, mostra pesquisa

Não grite 'assassina' à mulher que abortar por causa do zika




Nove relatos de mulheres sobre o estupro que sofreram

A responsabilidade dos comentários é de seus autores.


Comentários

-------- Busca neste site