Defensora da legalização do aborto no Brasil sofre ameaças de morte


Petição online chama
 atenção das autoridades
 para a segurança
 da antropóloga


Cristãos têm ameaçado a antropóloga Débora Diniz (foto) de agressão e de morte porque ela é uma ativista da legalização do aborto.
As ameaças pelas redes sociais ocorrem um mês antes de o Supremo decidir ou não pela autorização legal para o aborto até a 12ª semana de gestação.

A proposta pela legalização do aborto é do PSOL e do Instituto de Bioética, dirigido pela antropóloga.


Diniz é também professora de direito da Universidade de Brasília e militante do Estado laico.

Ela tem o apoio de pesquisadores, organizações de defesa da mulher, da organização Católicas pelo Direito de Decidir e de ateus.

Uma ativista criou a petição online “O ódio não vencerá: solidariedade a Debora Diniz” [acesso aqui], para que as autoridades garantam a segurança da antropóloga.

Com informação da Avaaz e de outras fontes e foto de divulgação.


Uma a cada cinco brasileiras já fez aborto, mostra pesquisa

Crivella afirma que só o ‘Brasil evangélico é que vai dar jeito nessa pátria’

Não grite 'assassina' à mulher que abortar por causa do zika




Padre terá de indenizar mulher por interromper aborto legal

A responsabilidade dos comentários é de seus autores.


Comentários

  1. Alguém que defende a legalização do assassinato de inocentes está surpresa por receber ameaças de morte? Todos os que são favoráveis ao aborto indiscriminado, sem um motivo razoável, deveriam é ter sido abortados pelas mães. E não sou cristão, não. Sou ateu. Mas sou contra assassinatos, especialmente os premeditados, especialmente o de inocentes.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Busca neste site