Pular para o conteúdo principal

SUS desperdiça recursos ao adotar práticas alternativas, diz CFM


Efeito
placebo
não cura

O SUS faz “uso indevido” de recursos ao oferecer tratamentos alternativos cuja eficácia não é cientificamente comprovada, diz o cardiologista Henrique Batista e Silva, secretário-geral do CFM (Conselho Federal de Medicina). 

Ele escreve que, “na melhor das hipóteses”, tratamentos como apiterapia, aromaterapia, bioenergética, constelação familiar, cromoterapia, geoterapia, hipnoterapia, imposição de mãos e terapia de florais apresentam efeito placebo.

“O seu uso por um doente otimista pode gerar a percepção de efeito semelhante ao de um procedimento já testado e reconhecido pela ciência. Porém, isso não significa cura ou melhora duradoura.”


O médico afirma que o SUS, ao ofertar as práticas alternativas, gera confusão no paciente quando ele tem de decidir por um tratamento realmente eficaz.

Observa que, em algumas circunstâncias, se a escolha for por uma pseudoterapia, o paciente pode perder tempo, “com redução de chances de recuperação e, no limite, até com o aumento do risco de morte”.

Para o médico, a adoção pela SUS de terapias sem lastro científico agrava a situação de um sistema de saúde que sofre de carência de recursos e da falta de competência administrativa.

Com informação da Folha de S.Paulo.


SUS deveria ter gatos para adoção, já que aderiu à pseudociência

Cura de impotência com hipnose pelo SUS divide opiniões de cariocas




A responsabilidade dos comentários é de seus autores.


Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Como as memórias são armazenadas em nosso cérebro?

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Fé de pais TJs não supera direito à vida de um bebê, decide juíza

Sam Harris: não é Israel que explica as inclinações genocidas do Hamas. É a doutrina islâmica

Marcha para Jesus no Rio contou com verba de R$ 2,48 milhões

A prefeitura do Rio de Janeiro liberou R$ 2,48 milhões para a realização ontem (sábado, 19) da Marcha para Jesus, que reuniu cerca de 300 mil evangélicos de diferentes denominações. Foi a primeira vez que o evento no Rio contou com verba oficial e apoio institucional da Rede Globo. O dinheiro foi aprovado para a montagem de palco, sistema de som e decoração. O pastor Silas Malafaia, um dos responsáveis pela organização da marcha, disse que vai devolver R$ 410 mil porque o encontro teve também o apoio de sua igreja, a Assembleia de Deus Vitória em Cristo. “O povo de Deus é correto”, disse. “Quero ver a parada gay devolver algum dinheiro de evento.” Pela Constituição, que determina a laicidade do Estado, a prefeitura não pode conceder verba à atividade religiosa. Mas o prefeito Eduardo Paes (PMDB), que compareceu à abertura da marcha, disse que o seu papel é apoiar todos os eventos, como os evangélicos e católicos e a parada gay. A marcha começou às 14h e contou com sete trios