Pular para o conteúdo principal

Os mais discriminados no Brasil são os ateus, afirma Sottomaior


Sociedade não
se comove com
ataque aos ateus

O presidente da Atea (Associação Brasileira dos Ateus e Agnósticos) elogiou o tema da redação do Enem 2016 [“Caminhos para combater a intolerância religiosa no Brasil”], até porque, disse, o grupo que mais sofre discriminação no Brasil é o de ateus.

Argumentou que a sociedade sempre se indigna quando uma intolerância contra religioso vem a público, mas o mesmo, disse, não ocorre quando a vítima é ateia.

“Xingar ateu é um lugar comum da sociedade”, disse Sottomaior ao portal G1. “Não causa comoção nenhuma.”


“Parece haver um consenso de que os ateus são os vilões.”

Ele tem a expectativa de que, a partir de agora, a intolerância contra os ateus obtenha maior visibilidade na imprensa e sociedade.

Para ele, a discussão sobre a intolerância religiosa deve incluir o debate sobre o preconceito contra ateus.

“Já passou da hora de discutirmos esse tema.”

Com informação do G1 e de outras fontes.


Ateus são os párias oficiais do Brasil, diz presidente da Atea

Atea recebe até 10 denúncias por mês de preconceito

Campanha da Atea pede que voto seja da razão, e não da fé




Avanço evangélico é tragédia anunciada, afirma Sottomaior

A responsabilidade dos comentários é de seus autores.

Comentários

Editor deste site
Paulo Lopes é jornalista
Trabalhou no jornal 
abolicionista Diario Popular, 
Folha de S.Paulo, revistas da
Editora Abril e em outras 
 publicações. 
Contato

POSTS MAIS LIDO EM 7 DIAS

Hospital de campanha de evangélicos em Nova York não aceita voluntários gays

Vídeo: R.R. Soares manda o Covid-19 para o inferno, mas não tira a máscara do rosto

Cristianismo é a religião que mais perseguiu o conhecimento científico