Pular para o conteúdo principal

Movimento evangélico é uma vergonha, diz pastor Gondim


Religioso critica as 'aberrações'

A credibilidade do movimento evangélico está no chão, escreveu o pastor Ricardo Gondim, reafirmando a sua auto-excomunhão.

“Não há mais remédio que o salve, ou unguento que o cure. Suas lógicas teológicas se tornaram estranhas, seus posicionamentos políticos, questionáveis e suas posturas éticas, uma vergonha.”


O pastor da Igreja Betesda lembrou ter anunciado há algum tempo que não se considera do movimento evangélico, que produz “aberrações”, “coisas horrorosas”.

Gondim afirmou que no tolera a intolerância.

“Não engulo a exclusão de gente por questões de gênero ou por identidade sexual. Não me sinto bem com o discurso fundamentalista que se arvora único interprete dos textos sagrados. Acredito que toda interpretação é interpretação. Nada mais. Ninguém — nem Santo Agostinho, nem Calvino, nem Armínio, nem eu mesmo — tem a última palavra a respeito da verdade.”

Auto-excomunhão de Gondim faz sentido. Ele é uma exceção entre os pastores.

Com informação do site de Ricardo Gondim.




Pastor Gondim se afasta do ‘delírio de esperar por Deus’

Posts mais acessados na semana

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Em encontro com Bolsonaro, padre canta que 'Deus pode realizar o impossível'

Vereador critica repasse de verba às igrejas. E é acusado pela bancada evangélica de 'intolerante'