MPF processa produtores de vídeo que usam índios em encenação de infanticídio

Assessoria de imprensa do MPF/RO

O Ministério Público Federal em Rondônia ingressou com uma ação civil pública contra a entidade Jovens Com Uma Missão (Jocum, sediada em Brasília e que possui unidade em Porto Velho) e a organização Atini.

A ação é decorrente do vídeo “Hakani – Voz pela Vida”, que exibe cenas de supostas práticas de infanticídio em comunidades indígenas da Amazônia.

O vídeo [ver um compacto abaixo] é apresentado como um documentário que relata uma “história verdadeira”, dramatizada por “sobreviventes ou vítimas resgatadas de tentativas de infanticídio”. Entretanto, a encenação usou crianças e adultos indígenas da etnia Karitiana, povo que não tem a prática de infanticídio em sua cultura e que passou a sofrer diversas consequências negativas após o documentário, inclusive discriminação e preconceito.

Na ação, o MPF/RO pede que a entidade Jocum e a organização Atini sejam condenadas pela Justiça Federal a pagar aos indígenas karitianas compensação por danos morais coletivos. A repercussão do vídeo e sua utilização em diversas plataformas midiáticas foram fatores considerados pelo MPF/RO.




O vídeo foi disponibilizado em várias páginas da internet, usado como referência nas discussões do Projeto de Lei 1.057 (conhecido como Lei Muwaji). Também originou um livro com o mesmo nome do documentário e até hoje tem cenas exibidas pela imprensa nacional e internacional em reportagens sobre infanticídio entre indígenas da Amazônia.

Em pelo menos dois sites, as imagens dos indígenas do vídeo são usadas para pedidos de colaboração e apadrinhamento das crianças “sobreviventes de infanticídio”.

Jocum e Atini já são alvo de outra ação do MPF em Brasília, na qual a Justiça Federal determinou a retirada do vídeo sobre o documentário de dois sites.

O MPF/RO argumenta que, além de prejudicar o povo Karitiana, o vídeo induz o espectador ao erro por fazer crer que o infanticídio é comum entre os indígenas e que os participantes da encenação são sobreviventes ou vítimas dessa prática.

Na produção do vídeo, um menino karitiana é enterrado vivo em uma cova rasa, encenando uma “história real”. 

Na ação, o MPF argumenta que, mesmo sendo uma representação, a filmagem perturbou a paz social dos karitianas porque os membros dessa etnia passaram a ser apontados como “índios que matam crianças”.

O MPF/RO expõe que os réus Jocum e Atini fizeram vários procedimentos incorretos: entraram em terra indígena sem autorização da Funai, não pediram autorização judicial para uso da imagem de crianças e adolescentes indígenas, expuseram-nas a situação aterrorizante e vexatória, não usaram atores profissionais devidamente preparados para a encenação dramática etc.

A ação civil pública ainda será julgada. 


Com informação do processo 0009406-74.2015.4.01.4100, no site da Justiça Federal.





Aviso de novo post por e-mail

Novo caso reforça suspeita de que ong de Damares sequestrou vários índios

Damares diz que pais de meninas devem "fugir" do Brasil

Damares disse em 2013 que em hotéis fazenda há 'transa com animais'





Ong de Damares é acusada de extrair mogno e de passar malária a indígenas


A responsabilidade dos comentários é de seus autores.

Comentários