Pular para o conteúdo principal

No Rio, 32% dos pais de estudantes rejeitam o ensino religioso

Pesquisa feita no início do ano pela prefeitura do Rio de Janeiro com 6.000 pais de estudantes mostra que 32% deles rejeitaram para seus filhos o ensino religioso.

Trata-se, portanto, de um taxa bem acima dos 13,32% da população que declarou sem religião, de acordo com o Novo Mapa das Religiões levantado pela Fundação Getúlio Vargas com dados de 2009 do POF (Pesquisa de Orçamento Familiar), do IBGE.

O prefeito Eduardo Paes (PMDB) sancionou ontem a lei que instituiu o ensino religioso facultativo nas escolas públicas, em decisão já prevista porque a proposta dessa modalidade de matéria foi apresentada pelo próprio Executivo.

Os alunos cujos pais descartaram esse tipo de ensino vão ter aulas de “valores básicos”.

Do total dos pais, 42% informaram ser católicos; 23% evangélicos; e 3% outras religiões. Como base nesses dados, a prefeitura vai contratar por concurso 600 professores de religião para começar a dar aula no próximo ano letivo.

A Secretaria Municipal de Educação ainda não forneceu detalhes sobre as aulas de “valores básicos”. Como o projeto de lei sancionado não prevê contratação de professores para essas aulas, existe a possibilidade de que as escolas designam para elas os professores de religião.

Estudantes vão ter como alternativa aulas de 'valores'
Com informação das agências e do Novo Mapa das Religiões.

Professora usa jornal da Universal para ‘formar senso crítico dos alunos’.
junho de 2011

Escolas ignoram o Estado laico e adotam nomes religiosos.
outubro de 2011

Religião no Estado laico.     Estatística das religiões

Comentários

"Os alunos cujos pais descartaram esse tipo de ensino vão ter aulas de “valores básicos”."

Tem um discurso implicito muito infeliz aí, de "se você não tem religião, não tem valores"... E como não tem projeto algum para esta "aula", apode ter certeza de que vai ser ensino religioso muito mal disfarçado, onde não for proselitismo aberto.
Querem ensino religioso, ótimo, mas que seja em casa ou em colégios religiosos, mas deixa as escolas secularistas em paz!
Unknown disse…
Aulas de direito esses filhos da puta não querem que a criança tenha, e isso sim, tinha que se dar noção desde a tenra idade, nas creches.
Aí queria ver essas MERDAS de leis serem aprovadas em um estado LAICO.
Anônimo disse…
Eles querem é ensinar o cristianismo teocratizando o ensino, porque eles não ensinam o islamismo o budismo o hinduismo?

Quer dizer os governantes querem usar está ferramenta para controle das massas e querem enfiar a religião goela abaixo a todo custo . Eu pergunto porque um governo está interessado em ensinar religião para pessoas pobres.
Moana disse…
Religião se aprende em casa.
Nas escolas, deviam substituir esta aula por "Constituição Federal e Direitos Humanos". Não seria melhor? Aí as crianças aprenderiam que o Estado é LAICO e não fariam essas merdas de propor ensino religioso em escola do Estado quando adultas.
Caruê disse…
Não somos capazes de ensinar nem ao menos português e matemática. Com todas as áreas do ensino deficitárias ainda assim vão gastar dinheiro com catequização.
Anônimo disse…
Desde quando religiao é sinônimo de "valores morais" ?
Anônimo disse…
Só 32%?
AlyneS2 disse…
Ensino religioso...só de me lembrar da professora que me dava aulas dessa matéria me dar enjoou. Ela estava na minha lista dos professores que menos gostava. Menos não, Não gostava!!!

Aulas de Direitos!!!
AlyneS2 disse…
*Direito*
Headbanger Ateu disse…
32%? Mas que povo alienado da maioria é esse?

Essa taxa é simplesmente a evidência da influência religiosa no país que sobrepuja, em prática, sua antidemocracia a bem de autoridades e governantes que regem estados e municípios.

A propósito, já que se fala em política e religião, o Paulo deveria expor neste blog, a hipocrisia que está sendo veiculada na TV por parte do PSC. Tal partido usa-se de uma neurolinguagem deveras capciosa ao abordar assuntos como família e principalmente, voto facultativo.

Deixo então, esta sugestão ao Paulo. Para que fique atento aos males da religião distorcendo quaisquer conceitos de democracia que acarretam na alienação e opressão das massas populares.
Headbanger Ateu disse…
"Os alunos cujos pais descartaram esse tipo de ensino vão ter aulas de 'valores básicos'."


E isso é de fato o mais triste. É uma violação grave à constituição. E não é nada democrático como se pensa. É uma decisão a bem de uma maioria corrupta e alienada. Os pais que discordam do ensino religioso podem recorrer a processos jurídicos alegando separação e distinção de preferências conforme art 19 inciso III da CF. E neste caso, a distinção é de preferência religiosa a bem da maioria popular e principalmente de políticos que estão governando conforme mandam as bíblias e não as leis da CF.
Joaquim disse…
Não deveria nem existir ensino religioso. Por isso a maioria dos alunos não gosta de estudar, aprendem desde pequenos que pensar e questionar é ruim.
Vi uma vez que nos EUA alunos do colegial ficaram revoltados por não aprenderem criacionismo na escola, em pleno colegial ainda tendo dúvidas sobre a evolução, maldita ignorância.
J.M. disse…
Lamentável. A impressão que tenho é que estamos simbolicamente a caminho de uma segunda Idade Média.
J.M. disse…
Aqui na minha cidade (interior do AM - região metropolitana de Manaus) está cada vez mais difícil encontrar escolas estaduais e municipais teoricamente laicas que não estejam com as dependências repletas de pinturas e até símbolos cristãos. Aqui está mais na moda do que nunca as escolas implantarem projetos voltados para a "vida e conscientização cristã dos alunos", principalmente para crianças dos primeiros anos do ensino fundamental. Ensino religioso é tratado como disciplina obrigatória, lembro que durante meu ensino fundamental nunca nenhum gestor ou professor de nenhuma escola que estudei comentou sobre a facultatividade dessa matéria. O conteúdo era exclusivamente voltado para reflexões e cópias de versículos bíblicos com mensagens mais "fofinhas".
Cristian Z. R. disse…
O papel da escola é ensinar e a estimular o senso crítico, pena que esses fundamentos não são colocados em prática. Já não basta termos uma igreja em cada esquina e volta e meia sermos bombardeados por essa praga de religião que reprime e limita o livre pensamento? Deixem o ensinamento religioso para os religiosos, professores não são padres nem pastores.
Filósofo Bíblico disse…
No preâmbulo da Constituição está escrito que ela foi promulgada sob a proteção de Deus. Sendo assim, todo o poder emana de Deus e não do povo.Assim como a Bíblia, a Constituição é contraditória.
A Secretaria Municipal de Educação ainda não forneceu detalhes sobre as aulas de “valores básicos”. Como o projeto de lei sancionado não prevê contratação de professores para essas aulas, existe a possibilidade de que as escolas designam para elas os professores de religião.

Isso me lembra os julgamentos da Inquisição, nos quais você tinha de optar entre confessar e ir para a fogueira ou negar e continuar sendo torturado.
Anônimo disse…
Meio Ambiente como matéria já na primeira série, crianças adoram a natureza. Nós adultos é que afastamos elas da natureza, com o corre-corre da vida moderna e a segurança que "brinquedos virtuais" oferecem. Meio Ambiente no ensino básico e sociologia no médio. Assim, ficam de fora ideias preconceituosas como "Deus fez macho e fêmea", ou que a mulher deve algo à sociedade.

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Um em cada 4 brasileiros não tem acesso à coleta de esgoto, mostra IBGE

Veja os 10 trechos mais cruéis da Bíblia

Contar o número de deuses é difícil porque são muitos, dezenas de milhares, milhões

Trechos bíblicos cuja existência crente finge não saber

Ministro 'terrivelmente' evangélico decide que financiar monumento religioso é constitucional

Bíblia tem mais de 2,5 milhões de mortes em nome de Deus

Padre autor do mosaico de Aparecida é acusado de invocar a Trindade para ter sexo a três

Igrejas católicas alemãs estão sendo derrubadas. É a demolição da própria religião