Dilma suspende kit anti-homofobia por considerá-lo 'inadequado'

"Bianca", personagem gay 

de vídeo atribuído ao kit
A presidente Dilma Rousseff suspendeu hoje (25) a produção do material pedagógico anti-homofobia -- o chamado kit gay -- que o Ministério da Educação ia distribuir às escolas públicas até o final do ano.

O ministro Gilberto Carvalho (Secretaria Geral) informou que a presidente considerou que o kit tem texto "inadequado" e vídeos "impróprios para o seu objetivo".

Os 74 deputados da bancada evangélica estão comemorando a decisão. Para eles, trata-se de uma vitória de sua mobilização contra o kit, que vinha sendo produzido com a ajuda da ABGLT (Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais).

Esses deputados e outros contrário ao kit, como Jair Bolsonaro, estavam ameaçando obstruir a pauta do Congresso, propor uma CPI para investigar o MEC e apoiar uma convocação do ministro Antônio Palocci (Casa Civil) para explicar a sua rápida evolução patrimonial, após às eleições.

Dilma decidiu, também, que a partir de agora toda material que envolva "costumes" terá de ser submetido aos setores interessados da sociedade antes de obter (ou não) a chancela governamental.

Os evangélicos argumentam que o kit faz apologia da homossexualidade, conforme, segundo eles, mostram os vídeos do material postados no Youtube. O MEC vinha negando que esses vídeos sejam a versão final do kit, e Toni Reis, presidente da ABGLT, disse ser "mentira" dos evangélicos que o material ensina como ser homossexual.

Vídeos atribuídos ao kit



dezembro de 2010

Comentários

  1. Se lascaram rs,rs,rs....

    ResponderExcluir
  2. É o Brasil voltando à Idade Média...

    ResponderExcluir
  3. tem que proibir essa putaria mesmo

    ResponderExcluir
  4. É tem que suspender a prostituição religosa dos pastores mesmo

    ResponderExcluir
  5. Putaria desses pastores, meu! Já controlam a televisão e agora querem MANDAR NAS ESCOLAS!

    ResponderExcluir
  6. QUando chegaremos ao nivel de uma França,Itália ou paises nordicos,com este tipo de presidenta e politicos evangélicos,comprometidos com a religião deles acima do EStado!

    ResponderExcluir
  7. Bem vindos à Idade Média.

    ResponderExcluir
  8. uá!,uá!, uá!, que peninha, se lascaram uá!,uá!,uá!

    ResponderExcluir
  9. Tô dando muita risada.

    ResponderExcluir
  10. Vc vai dar risada quando a lei da homofobia for aprovada crentinho,tolo e infantil.

    ResponderExcluir
  11. tem que acabar com essa putaria mesmo olha a cara daquela bixa loca da ´´bianca´´kkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  12. Tinha que acabar era com a putaria que acontece dentro das igrejas.

    ResponderExcluir
  13. Tenho certeza que o governo no fundo quer esse kit e vai ressuscitá-lo de uma outra forma quando tiver oportunidade.

    ResponderExcluir
  14. Primeira coisa q a dilme fez q prestasse... Essa palhaçada de kit gay e homofobia são um crime contra a moral e os bons-costumes...

    ResponderExcluir
  15. Que pena que não votei nela.

    ResponderExcluir
  16. Bancada de evanjegues:

    ...todo material que envolva "costumes" terá de ser submetido aos setores interessados da sociedade antes de obter (ou não) a chancela governamental, ou seja, eles e não a sociedade como um todo em união unânime.

    Mais uma vez os evangélicos mostram de qual lado da sociedade estão e de lado jogam. Mas o que sabemos é que não passam de marionetes de um grupo mais influente e de cujo interesse não é para fins coletivos, conforme a História humana tem estudado e comprovado ao longo de milênios da nossa existência.

    ResponderExcluir
  17. Olha, nada contra fazerem campanhas contra o preconceito. Acho super necessário, mas esse material aí é bem fraco. Claro que a presidenta vetou mais pelo medo do corrupto do Palocci ser investigado, pois os evangélicos, sujos como são fizeram uma espécie de "ou veta, ou iremos apoiar uma investigação contra o Palocci". Lamentável...

    ResponderExcluir

Postar um comentário


EDITOR DESTE SITE

Paulo Roberto Lopes é jornalista

profissional diplomado. Trabalhou

no jornal centenário abolicionista

Diario Popular, Folha de S.Paulo,

revistas da Editora Abril e

em outras publicações.

Contato