Pular para o conteúdo principal

TV Record associa games ao atirador de Realengo; usuários reagem


O programa Domingo Especular, da TV Record, apresentou hoje uma reportagem que associa os games violentos a assassinos como o atirador que matou 12 adolescentes de uma escola de Realengo, no Rio.

No Twitter, por intermédio da hashtag #GamerscontraR7, a reação dos usuários de games ocorreu antes mesmo de a reportagem ter ido ar. O R7 -- portal da Record – já tinha anunciado que o game seria um dos assuntos do programa.

A reportagem ressaltou que Wellington Menezes de Oliveira, o atirador, passava horas no computador entretido com jogos de violência, de tiros. Lembrou de outro assassino, o estudante Matheus da Costa Meira, que em 1999 disparou uma metralhadora contra uma plateia de um cinema em São Paulo, matando três pessoas. O filme que passava era Clube da Luta, de um livro com o mesmo nome que inspirou alguns games.

O programa ouviu uma psiquiatra segundo a qual o game não altera só o comportamento de pessoas com transtornos mentais como o caso dos dois exemplos citados. Segundo ela, qualquer jovem que se vicia em game passa a agir de maneira agressiva na escola e na rua. O programa entrevistou uma mãe que teve problema com o filho por causa disso.

Embora o tema seja polêmico, Domingo Especular não entrevistou ninguém com o ponto de vista de que esse tipo de jogos ajudam a descarregar uma agressão que poderia extravasar no mundo real.

No Twitter, os usuários negaram que os games estimulam a violência. “Eu deveria ser um serial killer, [porque] minha infância foi baseada em jogos violentos e com sangue”, argumentou, por exemplo, o twitteiro  Christopher Marcel .

Outros argumentaram que os jogos, assim como os programas de TVs, são classificados por faixas etárias. O programa deu essa informação, mas acrescentou que não há fiscalização.

Alguns twitteiros informaram que já esperavam essa abordagem dos games pela  “TV dos crentes”, numa referência à Igreja Universal, do bispo Edir Macedo, que é o dono da emissora. "Claro que é de total interesse da Record desvincular o atirador de Realengo do fanatismo religioso”, escreveu um deles.

"O perigo dos games violentos"


Videogame não transforma usuário em assassino, conclui pesquisa.
maio de 2008

Filho esfaqueia pai por causa do game Fifa 2009.
janeiro de 2010

Games polêmicos.     Caso do atirador de Realengo.

Comentários

Anônimo disse…
Bom meu amigo só para te informar. A Dra. Soraya Hissa de Carvalho não é Psicóloga ele é psicanalista. nem todo psicanilista é psicóloga, ela é médica. Antes de meterem o pau nela, vocês devem prestar atenção em uma coisa. eu vi a matéria varias vezes eu acho que muita coisa foi editata. Isso é muito comum em entrevistas com profissionais de saude. Isso faz com que pareça que ela confirma tudo que a matéria está tentando apoiar. Agora meu segundo ponto, eu garanto para você e para todos os internautas que videogame não é causa da violencia e de mal comportamento. Uma coisa as pessoas precisam aprender não existe causa e efeito e sim contrução de valores que temos ao longo de nossas vidas. Os videogames não ao responsáveis pelo assassino de realengo e sim a educação que ele recebeu, a vida pertubarda que ele levou. eu estudei bastante sobre o assunto e digo com total certeza videogames não criam assassinos a sociedade sim.
juliano disse…
isso depende da mente em questão
eu jogo e gosto de games sangrentos e violentos desde meus 14 anos (hj tenho 31 e somado a isso sou ateu) e nem por isso vou matar alguém ou cometer massacre pois não possuo nenhum problema mental para fazer isso
agora o que a tv quer fazer é pegar um esquizofrenico que jogava e apontar isso como a grande causa
e prefiro jogar no pc do que ver tv, até porque a tv brasileira é um lixo
Mas qual a surpresa? Videogames, internet, a mídia não precisa correr muito pra achar os "culpados". Aliás, a mídia no caso Realengo foi de uma escatologia ímpar!

http://www.tsavkko.com.br/2011/04/o-massacre-de-realengo-e-falencia-do.html
Anônimo disse…
Clube da Luta é baseado em um livro.
Unknown disse…
As televisões perdem muita audiência para a internet e os games. Então está explicado esse show dado pelas emissoras...
Anônimo disse…
O "doidão" que fez o massacre em realengo só falava em religião, deixou a barba crecer tipo talibâ, foi zuado a vida toda....mas a culpa e dos games! ahhhh tá.

Essa reportagem é pra tirar a culpa da religião.
Anônimo disse…
E alguem encontrou um videogame na casa do assassino ?

É obvio que a TV dos crentes quer dissociar o assassino do fanatismo religioso...
Anônimo disse…
O problema está na formação. Jovens que ficam horas jogando perdem a noção da realidade e seja qual for o jogo, não aceitam mais interferências. Onde encontrar tempo para esportes, leituras e, principalmente, sociabilização? Se já não respeitam nem as normas de sua casa, por que respeitar as da sociedade?
Olha, eu até posso concordar que o excesso de jogos possa levar alguém a ficar seriamente pirado — não estou afirmando isso, porém. O problema é que nesse caso nem sequer se tem notícia de que o cara jogasse! Mas há muita evidência de que rezava muito, lia Bíblia e Alcorão, etc.

Dizer que foram os jogos é como culpar a asinha de galinha pela indigestão depois do churrasco de sábado.
Anônimo disse…
estou a ponto de matar...mais um inimigo no Medal of Honor. Show de game. fuck you TV
Junior disse…
É verdade, as pessoas fazem as coisas no videogame pra treinar e depois fazer no mundo real. Eu mesmo, depois que fui jogar Assassin's Creed comecei a sair escalando prédio por aí, nem quero mais saber de elevador, eu subo pela parede mesmo. Quando eu jogava GTA San Andreas então, eu quase fui preso, porque eu não podia ver um carro parado no sinal que eu abria a porta, arrancava o motorista de dentro do carro e levava embora. Desde pequeno eu sou assim, na época do Super Mario eu fui expulso do jardim zoológico porque eu vi uma tartaruga e pulei em cima dela. Videogames são mesmo um perigo pra sociedade!
Vinícius disse…
Tá bom! Sempre joguei Super Mario Bros desde a época do Atari e vou passar a pular sobre cogumelos a rodo e entrar em canos gigantes imaginando ter mundos mágios paralelos ao final deles... Que bitolação! Também sempre joguei Street Fighter, DOOM, Blood, Shadow Warrior, Phantasy Star, Neverwinter Nights, Diablo... e nunca saí por aí fazendo maldades, matando pessoas nas ruas, agredindo meus pais e avós, tentando fazer magias absurdas... Sempre tive minha cabeça no lugar, e assim sempre será! Esse papo de "bitolação por causa de games" não cola comigo! Jogo estes games por gostar deles, e não me deixo influenciar, nem hoje, amanhã, nem nunca, por nada isso! Comigo não, violão!
Anônimo disse…
sou tao viciado em games que uqando estou sem grana dou socos em tijolos em busca de moedas
Jogador disse…
Um jogo de video-game de tiro com visão de 1º pessoa funciona como treinamento militar, agora para aplicar esse treinamento numa situação real só faltam os motivos.

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Padre associa a tragédia das enchentes ao ateísmo de gaúchos. Vingança de Deus?

Como as memórias são armazenadas em nosso cérebro?

Marcha para Jesus no Rio contou com verba de R$ 2,48 milhões

A prefeitura do Rio de Janeiro liberou R$ 2,48 milhões para a realização ontem (sábado, 19) da Marcha para Jesus, que reuniu cerca de 300 mil evangélicos de diferentes denominações. Foi a primeira vez que o evento no Rio contou com verba oficial e apoio institucional da Rede Globo. O dinheiro foi aprovado para a montagem de palco, sistema de som e decoração. O pastor Silas Malafaia, um dos responsáveis pela organização da marcha, disse que vai devolver R$ 410 mil porque o encontro teve também o apoio de sua igreja, a Assembleia de Deus Vitória em Cristo. “O povo de Deus é correto”, disse. “Quero ver a parada gay devolver algum dinheiro de evento.” Pela Constituição, que determina a laicidade do Estado, a prefeitura não pode conceder verba à atividade religiosa. Mas o prefeito Eduardo Paes (PMDB), que compareceu à abertura da marcha, disse que o seu papel é apoiar todos os eventos, como os evangélicos e católicos e a parada gay. A marcha começou às 14h e contou com sete trios