Blitzes de evangélicos impõem uma sharia aos brasileiros


Integrante da polícia da religião

A sharia são leis que, com base no Corão, impõem regras de comportamento moral a muçulmanos.

No Brasil, militantes evangélicos, sob a inspiração da Bíblia, estão impondo sua sharia à sociedade.

Contra o que julgam ser ofensa à Bíblia, eles têm realizado blitzes, como se compusessem uma polícia religiosa, a exemplo do existe em países islâmicos.

Os fatos recentes são estes:

Um evangélico do MBL (Movimento Brasil Livre) fez uma blitz em uma exposição de arte “profana” em Porto Alegre e conseguiu fechá-la.


No Mato Grosso do Sul, deputados cristãos convenceram a Polícia Civil a apreender um quadro sob a acusação de que ele promove a pedofilia, embora tal obra de Alessandra Cunha Ropre seja um libelo contra o abuso sexual de crianças.

Em Jundiaí (SP), um juiz cancelou liminarmente a peça “O Evangelho Segundo Jesus, Rainha do Céu” a pedido de fundamentalistas cristãos porque, para eles, Jesus não pode ser representado por um transexual e mostrado como tal. A peça já tinha sido apresentada em outras cidades.

No Rio, traficantes evangélicos [um deles na foto acima] atacam terreiros de umbanda e candomblé, destruindo “imagens de Satanás”.

Nesse caso, a intolerância religiosa é acompanhada por ameaça à integridade física de quem não professa a mesma religião.

A imposição da sharia evangélica não está se dando de um dia para outro.

Trata-se de um processo complexo que ocorre há anos, em um crescendo.

Entre outras coisas, esse processo envolve um empobrecimento cultural, um retrocesso no respeito aos direitos humanos, a pregação de ódio por pastores, o recrudescimento do fanatismo religioso e o descaso das autoridades para com o Estado laico.




Polícia indicia cinco suspeitos de integrar milícia evangélica

A responsabilidade dos comentários é de seus autores.