Jesuítas da colonização davam castigos a índios como cura gay


Colonização da sexualidade

Quando chegaram ao Brasil, os jesuítas ficaram espantados ao ver tanta gente sem roupa. 

Eles ficaram horrorizados quando perceberam que havia índios homossexuais e que isso era aceito com naturalidade pelas tribos.

Com o apoio do governo português — naquela época Estado e Igreja se mesclavam —, os jesuítas vestiram os índios e impuseram castigos aos homossexuais, no que hoje seria chamado de cura gay.

Os padres impuseram aos índios homossexuais surras no tronco, trabalho forçado, casamento arranjado com não índias e vigilância permanente.

Houve casos de índios que morreram por não aguentar os castigos físicos.

O relato da repressão dos índios gays do Brasil está no livro Gay Indians in Brazil: Untold Stories of the Colonization of Indigenous Sexualities (“Índios gays no Brasil: As histórias não contadas da colonização das sexualidades indígenas”), dos antropólogos brasileiros Estevão R. Fernandes e Barbara M. Arisi.


O livro tem sido um dos mais vendidos na Amazon, e os autores vão traduzi-lo para o português.

Gay Indians in Brazil foi publicado pela editora Springer e escrito a partir da tese de doutorado que Fernandes defendeu na Unb e da pesquisa de campo feita por Arisi

Fernandes resolveu abordar o assunto por ter ficado instigado com o fato de haver poucas informações acadêmicas sobre os indígenas homossexuais.

Ele observou que a homossexualidade dos índios não é discutida até hoje sequer pelos movimentos indígenas.

“O livro não é tanto sobre a ‘homossexualidade indígena’, mas mais sobre esses silenciamentos.”

Arisi, que estudou in loco os índios Matis, na Terra Indígena Vale do Javari (AM), tem um exemplo sobre como se processa a invisibilidade da sexualidade dos índios.

Ela escreveu um artigo sobre a curiosidade dos índios sobre o sexo dos brancos mostrado em filmes de pornografia, mas foi censurada pelo Museu do Índio por causa do título do texto: “A vagina sovina”.

“Trata-se de um termo comum entre os falantes de língua do tronco Pano”, disse.

Fernandes afirmou que até hoje ocorre na sociedade brasileira o que houve na colonização.

“De um lado, há a Igreja impondo seu padrão moral e, de outro, o Estado apoiando uma modelo de família e de sexualidade que se enquadra em um ideal de civilização.”

Com informação do site Racismo Ambiental e outras fontes e foto de parte da capa do livro.




Igrejas evangélicas aumentam presença entre os índios

A responsabilidade dos comentários é de seus autores.