Dinamarca extingue lei da blasfêmia depois de 151 anos



O Parlamento da Dinamarca aboliu a lei da blasfêmia que estava em vigor havia 151 anos.

Ela punia com até quatro meses de prisão quem fosse condenado por ofender ou criticar religiões.

A lei era anacrônica porque as religiões têm cada vez menos importância no país.

Pesquisa de 2016 revelou que 39% dos noruegueses não acreditam em divindades.

A lei esteve em evidência em fevereiro de 2017, quando começou o julgamento de John Salvesen, que foi acusado pelo Ministério Público de “injúria pública ou ultraje a uma religião” por ter queimado no Natal de 2005 um exemplar do Corão no jardim de sua casa.

Agora, com o fim da lei, Salvesen não poderá ser penalizado.

Na época em que postou no Facebook o vídeo da queima do Corão, o dinamarquês foi criticado por muçulmanos, cuja população naquele país tem aumentado por conta da migração.

Em sua defesa, Salvesen disse em entrevistas que queimou o livro muçulmano porque se trata de um “manual de ódio”.

Além disso, disse, o livro era dele. “Não vejo nada de ruim em queimar suas próprias coisas, caso você queira.”

Salvesen queimou também um Velho Testamento, sem que houvesse qualquer reação de cristãos.

Corão é manual de ódio

Com informação das agências.

Envio de correção


Governo da Dinamarca proíbe abate por motivos religiosos