Sul da Bélgica discute veto ao abate religioso de animais



O comitê de meio ambiente do Parlamento da Valônia, que é a região flamenga do total das três que compõem a Bélgica, aprovou por unanimidade veto ao abate de animais para produção de carne aos consumidores muçulmanos e judeus.

A proibição se deve ao fato de os animais serem mortos com dor e sem atordoamento, diferentemente, portanto, do que ocorre com os demais abates.

“Kosher” e “halal” são os nomes do preparo de alimentos para judeus e muçulmanos, respectivamente, de acordo com a tradição religiosa.

No caso do abate, o animal é morto com um corte em sua garganta, havendo em seguida a drenagem do sangue [ver vídeo abaixo].

A decisão do comitê do meio ambiente tem ainda de ser apreciada pelo plenário do Parlamento da Valônia (no sul da Bélgica), para ser aprovada ou não.

O Parlamento da Valônia, que fica no Sul da Bélgica, está sendo fortemente pressionado por judeus e muçulmanos, que alegam que são vítimas de perseguição religiosa.

Dinamarca, Suíça e Nova Zelândia já proibiram o abate sem o atordoamento dos animais.

Atenção: vídeo poderá chocar
as pessoas mais sensíveis

Com informação do Independent.

Envio de correção



ONG salva animais de sacrifício de rituais religiosos

Postar um comentário