quinta-feira, 21 de maio de 2015

Acabar com a intolerância cristã é um grande desafio, admite pastora

por Tiago Miranda
para Agência Câmara Justiça

Pastora luterana Bencke
disse que a intolerância
põe a religião fora do tempo
A secretária-geral do Conic (Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil), a pastora luterana Romi Bencke (foto), disse que o grande desafio hoje em relação à violência é a intolerância religiosa, em especial a intolerância cristã.

“Essa intolerância nos mostra a falta da abertura para estabelecer um diálogo saudável entre tradição e o processo de modernização. A falta de diálogo faz com que a própria religião fique fora do tempo”, disse.

De acordo com a pastora, o Estatuto da Família em discussão na Câmara é uma forma de projeto restaurador do mundo proposto por uma visão religiosa sem diálogo, assim como a “cura gay”, a redução da maioridade penal e a idealização da mulher como mãe. “A base da intolerância está na dificuldade do reconhecimento no outro. É uma arrogância identitária.”

Bencke relatou a propagação de ódio depois de divulgar um evento com o deputado Jean Wyllys (Psol-RJ) em uma página de rede social. “Em uma hora e meia, recebemos mais de 30 comentários negativos.”

Já o padre da diocese de Lorena (SP) Wagner Ferreira da Silva falou que a questão do ódio nas redes sociais é a ponta do iceberg para a violência. Ao citar falas de papas, ele afirmou que a paz corre perigo quando a dignidade humana não é respeitada, quando a convivência não é orientada para o bem comum. “A violência é o mal, é inaceitável como solução para os problemas.”

Segundo ele, o uso da violência constitui deformação das práticas religiosas.

Eles participam do 12o Seminário LGBT do Congresso Nacional, que tem o tema “Nossa vida d@s outr@s – A empatia é a verdadeira revolução”.

Com foto de divulgação.





Filhos de ateus tendem a ser mais tolerantes que os de religiosos

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...