Paulopes

Religião, ateísmo, ciência e astronomia

terça-feira, 13 de janeiro de 2015

Charlie Hebdo diz ser jornal ateu e põe de novo Maomé na capa

Jornal fez Maomé soltar
uma lágrima pelos mortos
O principal editorial da edição desta quarta-feira (14) do Charlie Hebdo diz que é um jornal ateu que, nos últimos dias, “fez mais milagres do que todos os santos e profetas juntos”, referindo às manifestações na França em defesa da liberdade de imprensa.

“O que mais nos dá orgulho é que vocês têm nas mãos o jornal que sempre fizemos”, afirma.

A edição tem três milhões de exemplares e há versões em seis idiomas, incluindo o árabe e o turco. Ela foi feita pelos “sobreviventes” do jornal.

No dia 7 de janeiro dois islâmicos invadiram a sede do Charlie e mataram quatro cartunistas, em um atentado que no total tirou a vida de 12 pessoas.

Para os fanáticos religiosos, tratou-se de uma “vingança” pelas charges que o jornal publicou de Maomé.

Nesta edição, Maomé reapareceu na capa do jornal. O profeta está soltando uma lágrima e o cartaz que segura diz: “Eu sou Charlie” — afirmação que, nestes dias, se tornou sinônimo de resistência aos ataques islâmicos contra a liberdade de imprensa.

Acima da charge, o jornal escreveu: “Tudo é perdoado” (Tout est pardonne).
Renald Luzier, o Luz, o “sobrevivente” que desenhou essa charge, fez questão de afirmar que “sim, é Maomé”, na capa. Disse ter chorado muito após ter feito o desenho.

Shawqi Allam, principal clérigo muçulmano do Egito, afirmou que a nova charge é uma provocação que vai incitar o ódio na França e ao redor do mundo.

Gerard Biaf, o novo editor-chefe do jornal, afirmou que houve um esforço para, nesta edição, não houvesse um tom marcadamente necrológico. “A ideia é fazer rir.”

Nas duas primeiras páginas o jornal republica desenhos dos chargistas assassinados. Há ainda uma famosa freira francesa falando sobre sexo oral.

Há também uma charge mostrando um cristão, um muçulmano e um judeu dividindo o mundo.

Veja a íntegra em francês da edição do jornal.

Com informação do Charlie Hebdo e das agências e ilustração de divulgação.





Morte de humoristas agradou a alguns no Brasil, diz Porchat


Postar um comentário

Posts mais compartilhados na semana

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...