Pular para o conteúdo principal

Documentário 'Seita Apocalíptica' mostra o fanatismo no patamar da loucura

IMDb: 7/10. É um registro e reflexões sobre a contundência à qual pode chegar o fanatismo religioso: o sacrifício de um bebê de três dias. Disponível na Netflix


O documentário “Antares de la Luz: Uma Seita Apocalíptica” apresenta a jornada de um líder messiânico de barba longa e cabelo curto no Chile e o contexto de um crime bárbaro, o sacrifício em 2012 de bebê, filho dele com uma seguidora. Para Antares, tratava-se do Anticristo.
Antes de se atolar no fanatismo religioso, Ramón Gustavo Castillo Gaete, mas gostava de ser chamado de Antares de la Luz, era um professor e músico, uma pessoa da classe média com compromisso político e social. Até que um dia ele disse a seguidores ser Deus, e não foi contestado.

Antares tinha delírios principalmente quando tomava ayahuasca, uma bebida alucinógena de origem indígena da América do Sul e muito conhecida no Brasil. Ele pregava que o mundo ia acabar em 2012.

A narrativa é montada pelo encadeamento de entrevistas com ex-seguidores, familiares e autoridades e especialistas, para expor as motivações de violências tão dramáticas. Os principais depoimentos são de Pablo Undurraga, a pessoa mais próxima do Antares.

Os relatos mostram como Antares manipulavas psicologicamente seus seguidores, sobre os quais passava a ter poder absoluto, isolando-os da sociedade e distorcendo sua realidade. Há no documentário cenas reais do julgamento dos envolvidos e reconstituições.

Antares nunca foi preso. Ele se matou antes de ser pego.

Dirigido por Santiago Correa, o documentário de 100 minutos apresenta uma perturbadora história mostrando que às vezes não há separação entre o fanatismo religioso e a loucura. 

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Como as memórias são armazenadas em nosso cérebro?

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Fé de pais TJs não supera direito à vida de um bebê, decide juíza

Marcha para Jesus no Rio contou com verba de R$ 2,48 milhões

A prefeitura do Rio de Janeiro liberou R$ 2,48 milhões para a realização ontem (sábado, 19) da Marcha para Jesus, que reuniu cerca de 300 mil evangélicos de diferentes denominações. Foi a primeira vez que o evento no Rio contou com verba oficial e apoio institucional da Rede Globo. O dinheiro foi aprovado para a montagem de palco, sistema de som e decoração. O pastor Silas Malafaia, um dos responsáveis pela organização da marcha, disse que vai devolver R$ 410 mil porque o encontro teve também o apoio de sua igreja, a Assembleia de Deus Vitória em Cristo. “O povo de Deus é correto”, disse. “Quero ver a parada gay devolver algum dinheiro de evento.” Pela Constituição, que determina a laicidade do Estado, a prefeitura não pode conceder verba à atividade religiosa. Mas o prefeito Eduardo Paes (PMDB), que compareceu à abertura da marcha, disse que o seu papel é apoiar todos os eventos, como os evangélicos e católicos e a parada gay. A marcha começou às 14h e contou com sete trios

Só metade dos americanos que dizem 'não acredito em Deus' seleciona 'ateu' em pesquisa