Paulopes

Religião, ateísmo, ciência, etc.

domingo, 19 de janeiro de 2014

Bellotto assumiu seu ateísmo por causa do fanatismo religioso

Tony Bellotto
Músico definiu
 ateus como pessoas
 que pensam por si
O músico e escritor Tony Bellotto (foto) definiu os ateus como pessoas que, por natureza, “pensam por si, respeitam a diversidade de pensamento e por isso preferem caminhar à margem do rebanho — para usar um termo muito ao gosto dos religiosos — e evitar pensamentos pré-fabricados”.

Em 2010, ele escreveu em seu blog no site da revista Veja que todos sabem que é ateu.

Afirmou: “Recebi a graça de NÃO crer. Adoro ser ateu e viver sem o peso de um deus a me assombrar, vigiar e julgar. Sem entidades metafísicas a quem dever satisfações, e sem nenhuma expectativa a respeito do vasto infinito, portanto. Mas respeito quem acredita e, sinceramente, não meço ou julgo as pessoas pelo fato de elas acreditarem ou não em Deus. Isso não tem a menor importância pra mim. Não mesmo. Até porque, na minha experiência e observação, concluí que o que se chama de “deus” varia muito de pessoa para pessoa”.

Antonio Carlos Liberalli Bellotto — nome completo do artista — nasceu em São Paulo no dia 30 de junho de 1960. Tem três filhos, dois deles com a atriz Malu Mader, mulher de seu segundo casamento. É guitarrista e compositor da Titãs, desde a criação da banda, nos anos 80.

Entre outros livros, escreveu os romances "Belini e a Esfinge" (1995), "Belini e o Demônio" (1997) e "Belini e os Espíritos" (2005). Também tem experiência em apresentação de programa de TV.

Ao final do seu texto de 2010, Bellotto se perguntou se a militância ateísta não estava caindo em uma armadilha ao agir com contundência contra as religiões.

“Não estaríamos – desajeitadamente – usando as mesmas armas do inimigo? Precisamos mesmo considerar religiosos como inimigos? Não faríamos melhor permanecendo fora do rebanho tentando iluminá-lo (e aqui não dou o sentido religioso à palavra iluminação) somente com o exemplo de nossos pensamentos, independência e liberdade?”

Dois anos depois, em um texto para o site da Companhia das Letras, Bellotto aparentemente encontrou a resposta para suas indagações (ao menos em relação a lideranças religiosas), ao elogiar dois dos maiores ativistas do ateísmo, Richard Dawkins e Christopher Hitchens (morto em dezembro de 2011).

Bellotto escreveu que é um ateu do tipo que não procurava “encher o saco de ninguém”, mas que tinha resolvido sair do “armário” por causa do avanço na política do Brasil do fanatismo de religiosos.

Afirmou: “As recentes contendas inspiradas por fundamentalismo e fanatismo religioso, mais a constante intolerância beligerante das chamadas bancadas religiosas, que sempre tentam impedir que se discutam no Brasil questões urgentes como descriminalização do aborto, pesquisas com células-tronco, união homossexual etc. etc., acrescidas de alguns detalhes irritantes, como cédulas de real (moeda de um Estado laico) ostentarem o dizer “Deus Seja Louvado”, o papa Ratzinger conclamar fiéis a não usarem preservativos e escolas sérias considerarem criacionismo ciência, me motivaram a pegar em armas (figuradas, as únicas armas de que disponho são a pena e a guitarra) contra o sectarismo, ofensa à inteligência, abuso da paciência e exploração da ignorância que muitas vezes as religiões promovem”.

Com informações das crônicas de Bellotto no site da Veja, site da Companhia das Letras e Wikipédia, entre outras fontes.





Clarice Falcão, ateia famosa

Ateus brasileiros famosos


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...