Paulopes

Religião, ateísmo, teoria da evolução e astronomia

quarta-feira, 21 de agosto de 2013

Cristãos gregos do século X casavam homossexuais

São Sérgio e São Baco
São Sérgio e o seu parceiro São Baco: santos gays 
por Arnaud Gonzague

É bem conhecido o mantra: o casamento – cristão, é claro – é a união de um homem e uma mulher. Só que a igreja da Idade Média celebrou – ao que parece – bodas homossexuais. Sabe-se, graças ao historiador americano Richard John Boswell (1947-1994), sobre as uniões de mesmo sexo na Europa antiga e medieval.

Foi ele quem descobriu que os cristãos gregos dos séculos X e XI abençoaram oficialmente "uniões do mesmo sexo". Tal consideração enfurece a atual igreja ortodoxa, que jura que só se tratavam de castas "confraternizações". É possível.

No entanto, um surpreendente ícone do Monte Sinai representa a união de dois homens santos do século IV, São Sérgio e São Baco, com Jesus, que tem todo o jeito de ser um "pronubus" (testemunha da boda).

Boswell afirma que existiam análogas "disposições para abençoar a união de dois homens" entre os cristãos eslavos desde o ano mil, que teriam durado na Europa até os tempos modernos.

Na França da Idade Média também há sinais: de acordo com o medievalista Allan A. Tulchin, existiam uniões masculinas especiais, os chamados "contratos de irmanamento", pelos quais os "irmãos" ("affrèrés" – "frères") se comprometiam, diante de testemunhas, a viver juntos, compartilhando "um pão, um vinho e uma bolsa de dinheiro".

Obviamente, ninguém está em condições de comprovar as consequências concretas desse tipo de amável coabitação, mas uma coisa é clara: nenhum dos bons cristãos daquele tempo se escandalizava com isso.

Com tradução de Moisés Sbardelotto.





'Sou gay, tentei me livrar do demônio e agora sou ateu'
novembro de 2011


Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...